Avatar” de James Cameron retorna às salas de cinema em uma edição especial. Contendo oito minutos a mais. Porém, o acréscimo destes minutos passam desapercebidos, pois Cameron apenas alongou as cenas, e não incluiu novas.


Mas a oportunidade de rever Avatar, pode atentar os espectadores à algumas questões, a mais importante delas é o meio ambiente. A modernização que acarreta a poluição do ar, dos mares e os desmatamentos. Não pretendo criar muitos analogismos, mas podemos traçar um paralelo entre a trama Na’vi e a colonização do Brasil. Os espectadores devem recordar da Tia Josefina explicando como Cabral chegou ao Brasil “acidentalmente” e como encontrou os índios. Pegando deles o ouro e pau-brasil. O que acontece em Avatar é similar, os americanos querem um minério que vale bilhões e se encontra no subsolo de uma árvore onde vivem os habitantes de Pandora. Para ter tal mineral eles precisam despejar os azuizinhos do local, mas isso não será uma tarefa fácil, pois a conexão deles com a natureza é muito mais forte do que qualquer bilhões de dólares. Diferindo dos nossos índios que cederam facilmente às investidas dos portugueses.

Outro aspecto é o interesse nas riquezas naturais e o que eles são capazes de fazer para tê-los; daí surge outro analogismo, ao petróleo. A briga por ele gera guerras intermináveis. O que pode ser comparado ao poderio bélico e ao desejo do poder, essas características estão impressas nas personagens americanas, sendo contrapostas aos Na’vi, que nada pode comprá-los.

Aproveite para assistir:

Indo em direção à isso, há o romance entre Jake e Neyriti, recordando o romance entre Jack e Rose em “Titanic”, ou entre Capitão Smith e Pocahontas – ao contrário de Pocahontas, Neyriti não faz abdicações. A bela ensina ao fuzileiro como ser Na’vi e lhe mostra os segredos de Pandora. Jake tem uma vida sem sentido, e além do mais é cadeirante; o rapaz troca o real pelo sonho. Opta por um mundo que não é seu, porque ali é feliz.

Fora essas ladainhas romanticas, o filme ainda conta com um super 3D. Sim, este filme só deve ser visto em 3D. Se não fosse a tecnologia do longa, ele seria mais um filmezinho. E os tais oito minutos a mais não fazem a menor diferença. O espectador nem sente o adicional, relançar este filme foi um subterfúgio para ganhar mais dinheiro.

 


Crítica por:
Thais Nepomuceno (Blog)

 

 

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE