Terra em Transe

Se eu dissesse que uma das maiores bilheterias do cinema recente é um filme que poucos ouviram falar aqui no Brasil, que passou em branco por nossas salas de exibição (na época em que ainda estavam abertas antes da pandemia) e chegou ao nosso país diretamente na Netflix ainda em 2019 sem que a maioria tenha percebido, você acreditaria? Pois acredite!

Lançado nos cinemas da China no dia 5 de fevereiro de 2019, a superprodução chegava no mesmo dia, mas de forma limitada, aos EUA apropriadamente nas salas IMAX (mais abaixo explicarei a magnitude da obra). Ainda em fevereiro, outros países do mundo recebiam o longa em suas maiores salas de cinema, como Nova Zelândia, Austrália, Canadá e Hong Kong. Com apenas essa meia dúzia de países, embora muito populosos, recebendo o filme nas telonas, é louvável a campanha conquistada pela produção nas bilheterias, se tornando o 13º filme mais lucrativo de seu respectivo ano de estreia, somando US$700 milhões mundiais aos cofres das produtoras.

Para termos uma ideia, Terra à Deriva, uma obra chinesa exibida em poucos países, ficou acima de blockbusters famosos como Shazam!, Godzilla: Rei dos Monstros, Dumbo, Alita, Homens de Preto Internacional, Nós, O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio, X-Men: Fênix Negra e até mesmo o companheiro asiático Parasita (fenômeno de dois anos atrás) em termos de bilheteria. Impressionante, certo? No entanto, impressiona ainda mais sabermos o que os realizadores foram capazes de concretizar com um orçamento equivalente a US$48 milhões – um valor considerado mediano quando falamos de produções Hollywoodianas. O fato demonstra que: 1. Os blockbusters americanos poderiam ser feitos por bem menos, o que evitaria os constantes prejuízos monumentais. E 2. Grande parte de tais orçamentos vai direto para o bolso das estrelas que usam seu nome como chamarizes.



Não é exagero dizer que Terra à Deriva não fica devendo em nada em termos de efeitos visuais de primeira, uma direção de arte impecável, figurino e escopo às maiores produções da terra do Tio Sam. A grandiosidade do filme não pode ser narrada, mas cada frame parece feito para ser assistido na maior tela possível. É detalhada nesse nível! Somos imediatamente transportados para o futuro, onde acompanhamos estes personagens numa jornada épica, com um propósito muito nobre: a salvação da vida na Terra.

Na trama, com uma forte pegada ambientalista – muito atual e necessária -, a destruição gradual de nosso planeta devido à ganância do homem atinge níveis exacerbados e intratáveis. Misturando ficção com realidade, o filme acelera o processo da “morte do Sol”, um fato científico já sabido que deverá ocorrer daqui a 10 bilhões de anos. É sabido também que antes disso, por volta de 5 bilhões de anos no futuro, pelo menos, os habitantes da Terra precisarão encontrar outras moradas no espaço, se quisermos que a raça humana persista. E é em cima deste fato que Terra à Deriva conta a sua história. Baseado no livro de Cixin Liu, a fim de continuarmos existindo como espécie, os governantes mundiais decidem mover a Terra de lugar. Isso mesmo! Por mais insana que pareça esta ideia, o diretor Frant Gwo, mesmo sem experiência em obras do tipo, faz tudo parecer plausível. Bem, para um blockbuster de entretenimento ao menos.



A solução encontrada para salvar a Terra de seu destino fatídico é a levar para procurar outro sistema solar e ancorar seu planeta nele. Ou seja, antes que o Sol exploda e nos leve junto, iremos “sair de fininho”. Para isso, grandes propulsores, funcionando como verdadeiras turbinas colossais, são fixadas em pontos estratégicos do planeta, nos movendo de órbita. É claro que a viagem demorará algo em torno de 2.500 anos, e criou uma nova era glacial (sem um sol para nos aquecer), obrigando a humanidade a viver nos subterrâneos do planeta. Criatividade e respaldo científico não faltam. Justamente por isso, o filme ficou conhecido como a primeira grande investida da China em uma superprodução de ficção científica do tipo.

A história se concentra numa família, já que seguindo a cartilha do cinema catástrofe, é preciso humanizar e encontrar rostos com quem possamos nos identificar em meio à tamanha destruição. Assim, temos o drama do astronauta Liu Peiqiang (Jing Wu), que parte em missão ficando anos no espaço a bordo de uma estação orbitando o planeta e verificando sua viagem. Seu filho, Liu Qi (Chuxiao Qu), é deixado para trás ainda na infância, e quando se torna um jovem, além de se revoltar com a escolha do pai, se mostra um gênio que usa sua inteligência para a infração. Ele é o verdadeiro protagonista do longa. Junto à sua irmã mais nova, seu avô e membros de uma equipe de resgate, o rapaz irá partir na maior aventura de sua vida.

Aproveite para assistir:



O resultado de Terra à Deriva pode ser comparado a uma grande mistura de todos os filmes catástrofe em larga escala dos últimos anos. Uma grande “batida” de Armageddon, O Dia Depois de Amanhã, 2012, Gravidade e afins. Ou seja, para muitos pode não ser mais novidade a essa altura. Porém, tudo no mundo é contexto, e temos que olhar para o longa como uma grande conquista de seu país de origem, que chega ao patamar antes tido como inatingível fora do circuito de Hollywood. Fora isso, existe muito empenho em criar cenas tensas, personagens cativantes, bons alívios cômicos, bastante aventura, ação e uma dimensão megalômana antes impensada. As cenas exibem perigo genuíno conseguindo nos capturar devido à identificação. Só faltou mesmo um romance para cobrir todos os ângulos. Porém, podemos dizer que a relação pai e filho é ainda mais emocionante e igualmente efetiva.

Não há mais dúvidas que o cinema asiático chegou para ficar e tem se tornado cada vez mais um dos grandes favoritos do mundo. Sejam os dramas premiadíssimos dos filmes sul coreanos, e agora os blockbusters que tem dado uma canseira nas produções norte-americanas. Se ainda duvida, saiba que 7 das 10 maiores bilheterias atuais do mundo vem de lá. Ah sim, e com final ambíguo deste filme, a continuação de Terra à Deriva já se encontra em fase de pré-produção.

Comentários

Não deixe de assistir:

🚨 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE 🚨http://bit.ly/CinePOP_Inscreva