Um dos maiores diretores da história, Clint Eastwood já viveu dias melhores. Desde que conquistou o Oscar de Melhor Filme com seu Menina de Ouro, vem mesclando grandes obras (Cartas de Iwo Jima e Snipper Americano) com outras bem problemáticas (A Troca e Além da Vida). Nos últimos anos, a situação ficou ainda pior com a realização apressada dos fracos A Mula e 15h17 – Trem para Paris.

O Caso Richard Jewell segue essa atual tendência de obras menos ambiciosas, com tramas mais intimistas, embora envolva um acontecimento grandioso. É verdade ainda que o longa é mais bem acabado que os projetos mais recentes do cineasta, que aqui conta com um elenco incrível para contar sua história.



O filme conta a história real de Richard Jewell (Paul Walter Hauser), um homem que sonha em ser policial e que ganha a vida aceitando pequenos trabalhos como segurança. Enquanto trabalhava nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, ele encontrou uma bomba em um parque local e logo foi alçado a um herói nacional. Com o passar dos dias, no entanto, Jewell passou a ser visto como um dos possíveis suspeitos do atentado, sendo acompanhado de perto pelo FBI e pela mídia.

Eastwood e o roteirista Billy Ray fazem a opção de contar a história através de Jewell, não investindo muito no debate se ele era ou não culpado. O interesse aqui está mais no drama do protagonista do que no suspense de uma eventual investigação.  

Aproveite para assistir:

Sam Rockwell surge com destaque na pele do advogado Watson Bryant, que tentará ajudar Jewell, o que nem sempre é fácil, uma vez que a admiração deste último pelos agentes da lei muitas vezes faz com que seja solícito demais com que busca incriminá-lo. Hauser e Rockwell entregam atuações excelentes no longa, mas o destaque vai mesmo para a veterana Kathy Bates, que vive Bobi, mãe de Richard. Orgulhosa e super protetora com o filho, ela é uma das pessoas que mais sofre com a presença constante dos holofotes da imprensa e da política.



Jon Hamm, Olivia Wilde e Nina Arianda completam o elenco principal da produção. O trio está bem em cena, embora a personagem de Wilde seja um dos problemas mais claros do filme. Ela vive a jornalista que dá o furo de reportagem de que o FBI está investigando Jewell. A partir daí, toda a imprensa passa a olhar para o sujeito e a força policial se esforça para provar que ele é culpado. A jornalista é retratada de forma fútil, exagerada e nada ética. Em determinado momento, vemos a mesma oferecendo sexo em troca de uma informação. A situação fica ainda pior diante do fato da personagem real, Kathy Scruggs, não estar mais viva para se defender.

O Caso Richard Jewell é uma obra irregular, mas com muitos méritos. O principal é justamente prender a atenção do espectador por seus 129 minutos de duração. Para isso, conta com belos trabalhos de montagem (Joel Cox) e trilha sonora (Arturo Sandoval). Clint Eastwood segue sendo um diretor muito talentoso, mas, em alguns momentos, parece distorcer a história para encaixar suas visões pessoais de vida. A saga do homem simples que é engolido pelo Governo e pela Mídia é de fácil identificação. E o material que tinha em mãos era de fato valoroso, o que torna os exageros ainda mais incômodos.



É um filme sobre o jogo do poder, mas que vale mesmo pela vulnerabilidade do homem comum.

Filme visto durante a cobertura do Festival do Rio 2019

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE