DELÍRIOS DE DIAS DO VERÃO

O diretor Lee Daniels tomou o mundo cinéfilo de assalto em 2009 ao entregar Preciosa, drama devastador indicado para seis prêmios no Oscar (incluindo melhor filme), e vencedor de dois. Num curto espaço de tempo, o ocupado cineasta lança mais dois novos projetos. Seus dois novos filmes fazem parte da programação do Festival do Rio 2013. O Mordomo da Casa Branca (o último a ser lançado) é o mais prestigiado. Extremamente elogiado, o filme tem grandes chances no Oscar 2014. É o mais correto também, e certo de agradar a gregos e troianos.

The Paperboy, que no Brasil recebeu o título genérico Obsessão, é um filme mais subversivo, exibido em Festivais, e para quem gosta de filmes estranhos e diferentes. Baseado no livro de Peter Dexter, e com o roteiro adaptado pelo próprio Daniels, em parceria com o autor do livro, a história traz o jovem Zac Efron como o protagonista Jack. Na flórida da década de 1960, no fervor da segregação racial que tomava o mundo, a trama foca no caso de um condenado a morte, que pode ser inocente da acusação de ter assassinado um oficial de polícia. Hillary, o condenado, é interpretado de forma insana por John Cusack.

2


No local chega Ward, papel de Matthew McConaughey (em mais um de seus papéis de retorno à boa forma), e seu colega jornalista Yardley, vivido por David Oyelowo (destaque em O Mordomo da Casa Branca), um britânico pomposo. Jack (Efron) é o irmão caçula do repórter vivido por McConaughey, e ele serve como nossos olhos para tudo o que acontece na tela. Ele é o narrador, e o ponto de vista da história. O rapaz perdido, sem um foco na vida, sente grande orgulho do irmão, e começa a ajudar a equipe jornalística servindo como motorista. Entra em cena a personagem mais chamativa da obra, Charlotte, a mulher espevitada vivida por Nicole Kidman.

De cabelos loiros platinados, e usando um figurino revelador durante toda a projeção, Kidman tem um desempenho impressionante, que faz Suzanne Stone Maretto, sua personagem em Um Sonho Sem Limites, parecer uma freira num convento. Alguns dos momentos mais insanos da carreira de Kidman estão aqui, a maioria fazendo uso de uma sexualidade vulcânica. Ela vive a chamada “White trash”, uma pobretona local, sem refinamento algum, que se corresponde por cartas com o personagem de Cusack, e com ele desenvolveu um relacionamento platônico. Os dois estão prometidos como noivos, quando, e se, o sujeito sair da prisão.

Aproveite para assistir:

3

Coisa que o determinado personagem de McConaughey está disposto a fazer. Ele acredita piamente que o sujeito não é culpado, e como um bom jornalista sai em busca pela verdade. Custe o que custar. Em sua maioria, Obsessão é um thriller investigativo, que tem em suas entrelinhas material louco o suficiente para fazer dele um grande entretenimento camp. O jovem personagem de Efron apaixona-se perdidamente pela sensual personagem de Kidman, e no percurso cria uma espécie de incomum triângulo amoroso. Como todos os filmes do diretor Daniels, Obsessão tem um forte teor racial, implícito ou explícito, e aqui ele vem em sua maioria envolvendo a personagem da cantora Macy Gray.

4

Gray vive a empregada na casa de Efron, e grande amiga do rapaz. Obsessão mostra como as pessoas lidavam com a situação racial latente, mesmo as que queriam se manter imparciais ou afastadas do conflito e polêmica. Obsessão caminha em dois mundos. Em seus momentos mais sóbrios é um justo suspense de investigação, com o fantasma do auge da segregação racial como pano de fundo; já em seus momentos mais alucinados é um filme de terror com cenas violentas, chocantes e explícitas, e faz uso de um material sexual acelerado que envolve uma das cenas de masturbação mais alucinadas da história do cinema. Como se isso não bastasse, no momento mais non sense a personagem de Kidman tem justamente a cura ideal para a queimadura de águas vivas.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE