O se encontrar na vida pode começar com um caminhar artístico sem esperança. O novo trabalho do cineasta Oscar Ruiz Navia, Los Hongos, é um filme que transpira pluralidades culturais e possui uma trilha sonora muito bem encaixada com a trama. Mas nem tudo são flores, a boa intenção em reunir muitos elementos artísticos na história dos personagens acaba deixando o roteiro mais descontrolado que as últimas interpretações de Nicolas Cage no mundo do cinema.

los-hongos-estereofonica

Na trama, somos jogados para dentro de uma grande cidade da Colômbia, onde conhecemos dois jovens amigos que possuem em comum o amor pelo grafite. Um deles, Calvin, cuida de sua carinhosa vovó em uma humilde casa, já Jovan possui muitos problemas familiares e se encontra desempregado, sem rumo. Ambos precisarão unir forças e sonhos para encontrar suas vocações e entender melhor o que os espera no futuro.


Los Hongos é recheado de boas intenções. Explora de maneira exarcebada gostos e costumes da cultura local, sempre sob a ótica dos jovens protagonistas. O exagero nesse preenchimento das características dos personagens, acaba deixando o filme sem ritmo e direção. Alguns arcos dramáticos são bem conduzidos, como a relação de Calvin com sua avó (melhor personagem disparada da trama). A trilha sonora é um show à parte e ajuda muito na condução de algumas cenas. Mesmo assim, muito pouco para o real potencial do filme.

Essa produção colombiana, infelizmente, não deve chegar ao circuito brasileiro. Talvez não tenha a força de outros bons filmes deste país, com pouca tradição no cinema, como La Playa e Crônicas do Fim do mundo que são dois filmes infinitamente superiores. Conhecer a cultura local de um país desconhecido em detalhes por muitos de nós é super legal mas quando falamos de cinema, esse trabalho deixa a desejar.

Aproveite para assistir:

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE