Por mais assustador que possa parecer, Shrek foi lançado nos EUA há exatos 20 anos. Naquela época, a DreamWorks Animation era um estúdio relativamente novo que ainda buscava se firmar no mercado. Após quatro projetos apostando em diversos estilos diferentes de animação, indo do 3D, passando pelo 2D e até mesmo ousando com o stop motion, o estúdio resolveu apostar mais uma vez na tecnologia 3D para fazer uma adaptação cheia de liberdade criativa do livro Shrek!, de 1990.

A história do livro era bem diferente do filme

Escrito por William Steig, o livro foi vencedor do prêmio de Melhor Livro Infantil do ano pela Publishers Weekly. Na trama, Shrek é um ogro grosseirão que encontra a princesa com quem sempre sonhou e consegue se casar com ela. Então, eles partem em uma viagem pelo mundo como um belo casal grosseirão.

Quando foi adaptar a história para os cinemas, a equipe criativa teve bastante liberdade para ousar. Foi proposta uma sátira não só dos contos de fadas, mas das animações de sucesso da época, que eram predominantemente da Disney. Então, foi permitido que várias piadas explícitas mais pesadas, como as contadas constantemente pelo Shrek e pelo Burro, e também as mais sutis, como a trágica história da Mamãe Urso, que vira um tapete, ou o momento em que Shrek vê o castelo do Lorde Farquaad e pergunta se ele está tentando “compensar alguma coisa”. Com essa possibilidade de brincar com temas que animações convencionais não costumavam abordar, eles puderam ir muito além, explorando o melhor de seu elenco. A começar pelo protagonista, que seria interpretado por Mike Myers, astro da franquia de humor politicamente incorreto, Austin Powers. Além dele, também teriam Eddie Murphy no papel do Burro. Com esses dois nomes consagrados do humor, não tinha como subaproveitá-los em uma trama genérica. Sem contar a tendência criada de encher os filmes com hits da música pop. A prova que isso deu certo é que todos lembram imediatamente de Shrek quando escutam “All Star”, do Smash Mouth.



O pobre ursinho ficou órfão

Havia um receio de que essa abordagem mais “sacana” afastasse o público infantil dos cinemas. Porém, o efeito foi contrário. Justamente por brincar com os clássicos e subverter personagens consagrados, os adultos e jovens amaram a história, assim como as crianças. Fora a comédia e o carisma impressionante desses personagens, a trama foi muito cativante exatamente por fugir do convencional. Em vez daqueles casais padrões de comercial de margarina, a DreamWorks trouxe uma princesa cuja verdadeira aparência era o “monstro”, gordinha, imperfeita e… Bem, real. Da mesma forma, o protagonista não era o clássico herói romântico e eurocêntrico, mas sim um ogro mal-humorado, careca, cansado, solitário e engraçado. Posteriormente, os heróis tradicionais viriam a aparecer na franquia, só que encarnando papéis de vilões. Isso foi algo revolucionário, arriscado e que deu ridiculamente certo.

O príncipe não passava de um golpista interesseiro e baixinho.

Além de todas as questões narrativas, a animação 3D foi um grande diferencial. Ainda dando seus primeiros passos, muito influenciados pelo que a Pixar fazia, essa tecnologia era surpreendente para a época. E como era tudo muito novo, não eram todos os estúdios que apostavam nela, considerando que o 2D costumava dar um retorno muito positivo em níveis de bilheteria. Com o sucesso de Shrek e dos filmes da Pixar, se tornou praticamente impossível de parar o avanço do 3D.

E o resultado de toda essa ousadia da DreamWorks foi um verdadeiro sucesso, em todos os aspectos possíveis. A crítica internacional simplesmente se apaixonou pelo filme, o público de todas as idades lotou os cinemas e a bilheteria arrecadou quase US$ 500 milhões, garantindo uma sequência e outros projetos do estúdio. Mas o ápice desse filme foi o Oscar de Melhor Animação, desbancando Jimmy Neutron: O Menino Gênio e o clássico imortal, Monstros S.A., surpreendendo a muitos. Com esse sucesso, vários estúdios se empenharam em criar seus próprios “Shreks”, incluindo a própria DreamWorks, que tentou replicar a fórmula em outros filmes, como Por Água Abaixo (2004), mas sem o mesmo sucesso. Da mesma forma, a Disney passou a apostar em animações mais satíricas, como Nem Que a Vaca Tussa! (2004) e foi introduzindo o 3D em seus filmes. Isso acabou marcando uma era de animações de pouco sucesso e inovação para o estúdio do Mickey. Anos mais tarde, com a chegada do ex-Pixar, John Lasseter, a Disney passaria a trabalhar exclusivamente com o 3D e com tiradas cômicas inseridas nas tramas, consolidando de uma vez por toda essa revolução animada que redefiniu o gênero nos cinemas.



A franquia Shrek está disponível na Netflix.

Comentários

Não deixe de assistir:

🚨 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE 🚨http://bit.ly/CinePOP_Inscreva