Amamos nostalgia… Então, resolvemos criar uma nova matéria prestando homenagem aos filmes com os quais crescemos. Mas não apenas isso. Quando pensamos em terror dos anos 80, filmes muito comentados e que ainda guardam lugar no coração dos fãs vêm logo à mente, vide Sexta-Feira 13, A Hora do Pesadelo, Brinquedo Assassino e Evil Dead, por exemplo.

Nesta matéria faremos algo um pouco diferente, e iremos relembrar e comemorar os filmes de terror dos anos 80 que são pouco mencionados pelas gerações mais novas, mas que são para lá de divertidos. A proposta é justamente os trazer para o conhecimento dos mais jovens. E torcer para quem sabe eles voltem à cultura pop de alguma forma.

Confira abaixo e comente quais você conhece.

Alligator – O Jacaré Assassino



Começamos a lista bem no início da década, com esta produção de 1980. Quem cresceu nos anos 80 e 90, certamente lembrará das reprises deste longa no SBT, onde aterrorizou muitas crianças e adolescentes. Na história, uma menininha ganha um jacaré bebê de presente, mas seu pai se desfaz do animal o jogando na privada. Anos depois, o bicho cresce a um tamanho descomunal de mais de 10 metros de comprimento, por ter se alimentado de animais usados como pesquisa genética e descartados no esgoto. O jacaré então escala na cadeia alimentar e passa a devorar pessoas, gerando comoção na cidade. A cena das crianças na piscina certamente traumatizou uma geração.

Numa Noite Escura

Aproveite para assistir:

Lançado em 1982, este filme fez parte do acervo da Globo na época, sendo exibido pela primeira vez de forma inédita no Supercine. A história acompanha Julie (Meg Tilly, irmã mais nova de Jennifer Tilly, a Noiva de Chucky), uma jovem que para adentrar um clube de estudantes precisará passar pelo trote das colegas, e permanecer uma noite dentro de um grande mausoléu. No local, sem ela saber, as amigas estarão escondidas para assustá-la. Quem leva o susto são todas, no entanto, já que no local um cientista russo retorna do túmulo graças a uma experiência.

A Noite do Cometa



Catherine Mary Stuart foi uma das atrizes que marcaram os anos 80, tendo aparecido em diversas produções cult da década dentro de variados gêneros, vida A Primeira Transa de Jonathan e O Último Guerreiro das Estrelas. Aqui, nesta produção de 1984, ela protagoniza na pele de Regina, uma jovem vivendo em Los Angeles, ao lado da irmã patricinha Samantha. Muito criativo, o filme usa como mote a passagem do cometa Halley, um dos temas mais comentados dos anos 80, que ocorreria dois anos depois, em 1986. A proposta aqui é um Eu Sou a Lenda girlpower, com as duas irmãs adolescentes sendo as únicas sobreviventes da passagem do corpo celeste na Terra – o que transformou quase toda a população em pó.

A Volta dos Mortos Vivos

Pulando um ano, chegamos em 1985, para mais uma exibição da Globo inédita da época. Planejado originalmente como mais um capítulo na franquia de mortos-vivos de George Romero, a ideia foi descartada gerando uma série própria no cinema. A proposta aqui era por um filme mais jovem, cheio de ação e muito humor incorreto. O longa rende uma das produções mais divertidas a abordar o tema dos zumbis, e funciona quase como uma paródia de tudo que havia sido criado até então. Mas sem esquecer a violência e o sangue. Foi aqui que os mortos-vivos descobriram sua ânsia por “miolos”.

A Casa do Espanto

No mesmo ano de 1985, a Globo exibia outro sucesso de terror que marcaria a juventude de muitos. Protagonizado por William Katt, o eterno Super-Herói Americano, o ator vivia um escritor divorciado buscando trabalhar num livro sobre suas experiências na Guerra do Vietnã. Ele termina herdando uma grande casa de uma tia distante e se muda para o local. Uma vez lá, ele descobre que a casa é assombrada, fazendo seus piores pesadelos se tornarem realidade. Um show de efeitos práticos e muitos sustos. Imperdível.

A Hora do Lobisomem

Nos anos 80, muitos filmes de terror ganharam a tradução “a hora” ou “na hora”, mesmo que seus títulos originais não tivessem nada a ver com isso. Não me pergunte o motivo. Sendo assim, Silver Bullet ou “Bala de Prata”, baseado num texto do mestre do terror Stephen King, se tornou A Hora do Lobisomem. Com o sucesso de Um Lobisomem Americano em Londres e Grito de Horror, ambos de 1981, os dois maiores sucessos do subgênero nos anos 80, A Hora do Lobisomem terminou um pouco esquecido, mas não deve ser menosprezado. Lançado em 1985, esse foi “o” filme de lobisomem para muitos no período. O interessante do longa é que coloca como protagonista um menino cadeirante, o que torna ainda mais nervosa sua desventura numa pequena cidade lidando com ataques da criatura peluda.



A Coisa

Outro filme marcante para a geração anos 80, este longa fez sua estreia na TV aberta no SBT. Criativo e trash, A Coisa foi lançado nos cinemas em 1985 e usava muito humor implícito em tom de sátira sobre o consumismo desenfreado da sociedade norte-americana. A Coisa (ou The Stuff no título original) era uma substância branca encontrada na neve e rapidamente comercializada como o novo iogurte sensação. O produto, que começou a vender tanto quanto a Coca-Cola, dominando os supermercados e os comerciais de TV, era na verdade extremamente nocivo aos seres humanos – transformando seus consumidores em viciados descontrolados e inclusive os matando de formas horrendas, vide o personagem Chocolate Charlie.

A Morte Pede Carona

Exibido na Globo, este thriller com doses bem fortes de violência foi outro que marcou a infância da geração 80 e 90. Lançado em 1986, o filme apresenta o pior caronista do mundo: John Ryder, um sujeito que parece ter saído diretamente do inferno. A história acompanha o jovem Jim (C. Thomas Howell), que dirigindo pelas estradas com seu carro tem a infeliz ideia de oferecer carona a um homem no acostamento para lhe fazer companhia. Aos poucos o rapaz percebe o erro que cometeu, já que o tal Ryder é na verdade um psicopata de marca maior, disposto a persegui-lo e incrimina-lo por seus assassinatos. Ryder, é claro, se tornou um dos personagens mais marcantes na carreira do saudoso Rutger Hauer.

Noite dos Arrepios


Outro filme de 1986 que igualmente marcou presença na Globo e fez a alegria de crianças e adolescentes fãs de terror quando estreou na Tela Quente – além, é claro, de fazer com que dormissem de luz acessa por pelo menos uma semana, olhando para debaixo da cama para ver se não tinha nenhum verme. Noite de Arrepios é uma verdadeira salada saborosa que mistura tudo que de melhor a cultura pop tinha a oferecer: assassinos, alienígenas, vermes malditos, experimentos científicos e zumbis. Tá bom para você? Um dos melhores itens cult saídos da década de 80, esse filme precisa ser descoberto pelas novas gerações. Nem que seja para ouvirem um dos melhores diálogos do cinema: “Tenho uma boa e uma má notícia. A boa é que seus namorados chegaram. A má é que eles estão mortos”.

Chopping Mall

Os anos de 1985 e 1986 foram os mais criativos em termos de filmes de terror. Tudo quanto era tema parecia ser usado na hora de criar produções do gênero. Vejam esta premissa bem única: a administração de um shopping center resolve criar o sistema de segurança máximo moderno. Robôs guiados através de uma inteligência artificial servirão como os guardas do local. Quando um grupo de funcionários resolve passar a noite escondidos em uma das lojas para uma festinha, os robôs dão pane e irã trata-los como invasores sem qualquer piedade. Shoppings, robôs e tudo em relação ao filme, lançado em 1986, é muito anos 80. E o adoramos por isso.

O Rock do Dia das Bruxas

Por falar em lançamentos de 1986, aqui temos mais um. A ideia aqui é criar um terror juvenil totalmente rock n roll. Nada de Freddy ou Jason, a proposta de um novo vilão icônico aqui vem na forma de um astro do rock. O protagonista é um menino que sofre constante bullying no colégio. Sua única válvula de escape são as músicas do ídolo, o tal astro do rock. Porém, o jovem fica devastado e sem chão ao saber da morte de seu cantor favorito. Não demora até que o roqueiro apareça na forma de uma entidade para “ajudar” seu maior fã, eliminando seus atormentadores.

A Noite das Brincadeiras Mortais

Último item do ano de 1986, este é um dos slashers mais originais saídos dos anos 80. Quem conhece, sabe. Exibido pela Globo, onde impressionou os fãs, o longa desde então conquistou seus admiradores e fãs como item cult. Injustamente, é pouco lembrado. Quem protagoniza é Amy Steel, final girl de Sexta-Feira 13 – Parte 2 (1981). Em partes usando muito humor, A Noite das Brincadeiras Mortais propõe um slasher diferente. Ou será? Um grupo de jovens amigos vai passar o fim de semana numa grande casa de uma delas, localizada numa ilha. O problema é que a dona da casa preparou um fim de semana repleto de brincadeiras e pegadinhas sem noção. Mas o que acontece quando essas brincadeiras começam a ficar cada vez mais sérias?

C.H.U.D. – A Cidade das Sombras

Voltamos aqui para uma rápida parada em 1984. Usado como referência para Jordan Peele em Nós (2019), o filme usa como trama a lenda urbana sobre moradores de rua vivendo nos subterrâneos da cidade de Nova York, com uma grande guinada. Quando diversas pessoas começam a sumir misteriosamente numa das maiores cidades do mundo, uma investigação policial e jornalística se inicia. As pistas levam para o subsolo da cidade, porém, o que está saindo de lá não é humano. CHUD guarda a participação de alguns rostos bem conhecidos, em início de carreira.

Palhaços Assassinos do Espaço Sideral

Bem, é só ler esse título para saber de cara que o filme não se leva nem um pouco a sério. Mas este não é um mero filme trash, se mostrando um longa divertidíssimo e muito criativo, que sabe usar bastante sua premissa ridícula a seu favor. Na trama, uma raça alienígena chega à Terra para espalhar o horror. E acredite, o filme faz uso de violência. A sacada é que tais ETs tem a aparência de palhaços pra lá de bizarros e tudo relacionado a eles possui a temática de circo. Por exemplo, sua nave espacial é uma tenda, e suas armas e tecnologias são completamente ligadas ao universo de tais figuras, como pipocas assassinas, sombras malignas, balões de ar, tortas na cara ácidas, e por aí vai. Para dar boas risadas com os palhaços animatrônicos mais cult do cinema, neste filme lançado em 1988.

A Bolha Assassina

Fechando a lista, temos outro filme de 1988. Aqui, outra ameaça vinda do espaço. A Bolha Assassina é o remake de uma produção da década de 50, auge da ficção científica no cinema, estrelada por Steve McQueen. A refilmagem é um dos raros casos onde o novo filme consegue superar seu original em criatividade e qualidade de produção. Com mais recursos e efeitos melhores, A Bolha Assassina se transforma numa das produções mais interessantes do gênero na década de 80. Uma pena que não tenha gerado uma continuação – já que o desfecho deixa um gancho para isso; e tenha caído no esquecimento com o passar dos anos. O roteiro inclusive dá um upgrade na trama do filme original, apresentando uma muito bem-vinda reviravolta centrada na paranoia norte-americana.

Comentários

Não deixe de assistir: