Filha de uma professora de inglês e um engenheiro químico, Jennifer nasceu em Houston, Texas, mas mudou-se para Charleston, West Virginia, aos três anos de idade. Em 1990, Garner se matriculou na Denison University em Granville, Ohio, onde mudou sua especialização de química para teatro, lá ela se formou como Bacharel em Belas Artes em performance teatral.


Sua primeira aparição em um longa-metragem exibido no cinema foi uma pequena participação em Desconstruindo Harry, de Woody Allen. O tempo passou e sem conseguir grandes papéis, Garner também complementava sua renda trabalhando como recepcionista em um restaurante. Sua carreira decolou quando em 2001, Garner foi escalada como a estrela do thriller de espionagem, Alias, seriado criado por J. J. Abrams. A partir daí outros grandes sucessos, principalmente nos cinemas, vieram pela frente.

Em abril de 2022, Jennifer completa 50 anos e resolvemos criar uma lista com alguns de seus ótimos trabalhos nas telas.


 

Aproveite para assistir:



Dia do Sim

A velha questão das novas ideias quanto a educação. Um dos assuntos que mais rende reflexões quando pensamos em cinema, sem dúvidas, é a questão da educação que pais cheios de compromissos, atarefados, precisam ensinar muito sobre a vida a seus filhos no cotidiano. O Dia do Sim, chega para nos mostrar vertentes dessa situação, com uma proposta inusitada guiada por alguma linha de pensamento de estudiosos da questão, acaba não tendo muita margem para originalidade e os mesmos tropeços nos clichês de filmes semelhantes vemos a todo instante. Busca ser divertido mas os exageros começam a tomar conta da tela distanciando reflexões mais amplas sobre a interessante questão abordada. Disponível na líder mundial dos streamings, o projeto tem como protagonistas Jennifer Garner e Edgar Ramírez.


 

Clube de Compras Dallas

Na história, baseada em fatos reais, ambientada na década de 80 no complicado Estado do Texas, conhecemos Ron Woodroof (Matthew McConaughey), um carismático eletricista, machista ao extremo, que após muitas relações sexuais com desconhecidos, uso de drogas injetáveis constantes descobre que está com AIDS. Após os médicos terem lidado apenas mais 30 dias de vida, Ron entra em uma busca desesperada para encontrar a cura e assim funda um clube de tratamento contra a doença que utiliza remédios em fase experimental em outros países. Para o empreendimento, e salvação, dar certo, vira parceiro de Rayon (Jared Leto), um homossexual que também possui AIDS. Dessa sociedade nasce uma amizade surpreendente.

 


Homens, Mulheres e Filhos

Somos feitos de milhões de moléculas que nos guiam em nossa formação física mas também racional, essa última, em relação a toda uma sociedade deveras enlatada numa caixinha de atum. O projeto do ótimo diretor Jason Reitman (Amor sem Escalas), mostra diversos conflitos familiares provocados pela era da comunicação virtual, além de vestir a camisa como crítica escancarada aos valores conservadores de uma América doente, perdida em um medieval comodismo exagerado.

 

Não Olhe para Trás


Não somos responsáveis pelas emoções, mas sim do que fazemos com elas. Em seu primeiro longa-metragem como diretor, o roteirista e produtor norte americano Dan Fogelman logo de cara tem a difícil missão de dirigir, talvez, o maior ator de cinema em atividade, Al Pacino. Contando a história, baseada em alguns trechos numa história real, de um decadente músico que vê sua vida mudar de rotina quando resolve acertar suas contas com o passado, Não Olhe para Trás mais uma vez mostra todo o talento e carisma de Pacino embasado em um roteiro bem sincero e que transpira verdade.

 

De Repente 30


Um dos maiores sucessos de sua carreira, De Repente 30, longa-metragem dirigido pelo cineasta Gary Winick, conta a história de uma jovem de 13 anos que está numa fase muito difícil de sua vida e que de forma inesperada acorda certo dia com 30 anos. Assim, vamos enxergando os conflitos desse pulo de geração além de aprender mais sobre a vida.

 

Com amor, Simon


Em busca de uma grande história de amor. Baseado no livro Simon vs. The Homo Sapiens Agenda, de Becky Albertalli, Com amor, Simon chegou aos cinemas brasileiros anos atrás sem muito burburinho. Com um elenco com nomes conhecidos do público jovem, a trama fala sobre preconceitos, o alucinante mundo das redes sociais e sua influência no dia a dia dos jovens de todo mundo, além de falar sobre o primeiro amor de maneira emblemática com o protagonista na luta sobre suas escolhas. O filme, antes de mais nada, é uma grande crítica social ao universo digital dos jovens de hoje em dia, ensina lições profundas sobre a amizade e as liberdades de escolhas.

Não deixe de assistir: