É difícil saber o que nos atingiu ao final da projeção de “Amor”, uma obra tão forte e poderosa quanto um soco no estômago. Sucesso no Festival de Cannes de 2012, onde recebeu a honraria máxima, a Palma de Ouro, como o melhor filme do evento, a obra do diretor alemão Michael Haneke foi uma das grandes surpresas no Oscar 2013, recebendo nada menos do que 5 indicações, o que para uma pequena produção passada toda dentro de um apartamento, com basicamente dois atores apenas, sem dúvidas é um grande feito.
Amor” está indicado nas categorias de melhor diretor para Haneke, melhor filme, melhor filme estrangeiro, melhor roteiro original e melhor atriz para a octogenária Emmanuelle Riva. Na trama do roteiro escrito pelo próprio diretor, Georges e Anne são um casal de idosos franceses apaixonados e ativos. No auge de seus 80 anos os dois ainda saem sozinhos para ir ao teatro ou restaurantes, e se divertem com a volta para casa no ônibus à noite, onde ainda interagem com longas conversas.

Até que num dia, Georges precisa finalmente lidar com a velhice quando sua companheira apresenta sinais de desgaste e severas enfermidades acarretadas pela idade avançada. O cineasta Haneke começou a carreira em seu país de origem dirigindo filmes para a TV ainda na década de 70, mas foi somente em 1997 que chamou verdadeiramente a atenção do mundo da sétima arte ao escrever e dirigir o subversivo “Violência Gratuita”. Exatamente dez anos depois o diretor tentaria sua única incursão no cinema americano refilmando ele mesmo a obra, com a versão americana de “Violência Gratuita”, com Naomi Watts como a protagonista, sem o mesmo impacto e extremamente criticada. Entre o repertório dos filmes mais elogiados do cineasta estão “A Professora de Piano” (sensação no Festival de Cannes de 2001), “Caché” (igualmente um chamariz em Cannes, 2005) e “A Fita Branca” (indicado para os Oscar de melhor fotografia e filme estrangeiro). Tudo isso faz de Haneke um dos cineastas mais prestigiados da atualidade.


Aqui Haneke cria tudo com maestria, seja na precisão dos diálogos mundanos que nos levam instantaneamente a participar da história como se estivéssemos vendo uma fatia da vida, e nunca uma representação dela. Ou na condução de sua direção, ritmo e narrativa. É inconcebível saber que nos EUA críticos de cinema dormiram na projeção dessa impactante obra. Em momento algum é possível se desligar de um filme que possui tamanha urgência como esse. É sufocante, desesperador e completamente emotivo. O casal de protagonistas daria um texto à parte. Emmanuelle Riva, que interpreta a enferma Anne foi lembrada no Oscar merecidamente, e em minha opinião (mesmo sem ter assistido ainda as performances de Jennifer Lawrence e Jessica Chastain) deveria levar o prêmio devido às limitações que sua idade avançada acarreta na interpretação, ela está esplêndida. A injustiça vem na forma do esquecimento de Jean-Louis Trintignant, o veterano ator francês possui um desempenho tão forte, e até mais difícil do que o de sua companheira de elenco. Ele é o receptor, e o que precisa reagir à atuação de Riva.

Aproveite para assistir:

Amor” possivelmente é o melhor filme de 2012 que assisti até agora (ainda faltam alguns). Dizem que um filme precisa falar com você, precisa te dizer alguma coisa, penetrar para causar aceitação. E nada faz isso melhor do que o roteiro, a história apresentada na tela, por mais que todos os outros elementos entrem em cena. A história de “Amor” é muito forte, é muito poderosa para ser ignorada. Nos deixa fragilizados, indefesos, sabendo que tal situação é inevitável para todos nós. Nos mostra como a vida é cruel para os seres do planeta, como o arco de nossas vidas naturalmente se desfecha, sem pedir permissão, sempre causando dor. Saber lidar com ela é uma arte quase impossível, que poucos iluminados e esclarecidos dominam. É dentro desse parâmetro que “Amor” é tão importante, não existe fantasia, grandiosidade ou novidade, é apenas real. Um apartamento, duas pessoas, e um grande amor.

 

Crítica por: Pablo Bazarello (Blog)

 


 

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE