O filmeAmor” põe em prova toda a fórmula americana de fazer filme. Não que todos sejam iguais, mas, até secretamente, seguem uma mesma linha. “Amor” foge de tudo o que foi visto, afinal, ele não é americano. Dirigido pelo austríaco Michael Haneke, o filme consegue criar um clima duvidoso, mas ainda assim, cheio de certezas.
O primeiro “problema” que é encontrado por quem está acostumado com a antiga fórmula é a dinâmica das cenas. De uma maneira singela, o diretor esquece os movimentos de câmera para que possamos focar nas profundas atuações adiante da tela. O ambiente criado por Michael requer que nós observemos os olhares e suspiros dos personagens. Nisso, o filme leva mérito pela direção que consegue exprimir palavras que não estavam escritas no roteiro. O roteiro, porém, mesmo criando cenas interessantes, não deixa de esticar as ocasiões – quem sabe também não foi decisão da direção?

Mas enfim, isso não pode ser considerado um problema, de fato. Pode ser que você não curta o estilo do filme, assim como eu reagi de primeira, mas, com cautela, ele vai se apossando. Nesse novo estilo não há muita história ou muito que raciocinar durante o filme; tudo está nos movimentos. No geral, o filme fala sobre um casal de velhos que moram sós numa casa relativamente grande. A senhora, Anne, é a que enfrenta mais problemas com a velhice, fazendo seu marido, Georges, botar em prova tudo o que ele confirmou há muitos anos atrás, no altar; “Na alegria, na tristeza, na saúde, na doença…”.


A ideologia de existência do filme, quero dizer, o motivo para que ele tenha sido feito é, como o título já indica, exemplificar até onde existe, de fato, amor. Quais os seus limites? Georges parece bem mais lúcido do que Anne, que sofre duas vezes com uma paralisia corporal. Até onde ele permaneceria cuidando de sua amada? Até que ela morresse? Ele se afetaria com isso? Portanto, o enredo tenta nos provar um ponto de vista pondo um exemplo à mostra. Consegue, de fato, mostrar realidade e fazer-nos pensar sobre o que faríamos. Faz-nos pensar até, eu diria, sobre a nossa própria vida; até onde amaríamos?

Aproveite para assistir:

E pra completar toda a questão do filme, o elenco arrasador! Emmanuelle Riva é perfeita na pele de Anne. Algumas horas, quais eu bobeei, fiquei com muita pena da senhora doente que eu assistia deitada em sua cama, incapaz de falar, sussurrando besteiras, enlouquecendo, morrendo… [Espera, isso não está acontecendo! É um filme!] – Digamos que foi uma epifania… É surpreendente! A sua indicação no Oscar não foi à toa e, se ela ganhasse, eu aplaudiria de pé. Jean-Louis Trintignan não fica de fora, interpretando George, o marido, que não sabe mais o que fazer com Anne, mesmo seu personagem estando calmo quase todo o filme. Mérito? Merece, claro; não como Emmanuelle.

Por fim, “Amor” é um filme muito estranho. Quando os créditos finais começaram a subir, eu pensei: Nossa… Que maneira estranha de gostar de um filme… – Apesar de não fazer muito o meu estilo de filme, eu gostei. Ele, de uma maneira brutal, acaba conseguindo ensinar alguma coisa sobre o amor.

 

Crítica por: Arthur Gadelha (Blog)


 

 

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE