Cuidado: possíveis spoilers à frente.

A franquia Pânico se tornou uma das mais longevas e icônicas do cinema contemporâneo – e, bebendo do gore e do terror, ascendeu ao patamar de um dos símbolos do gênero slasher e da metalinguagem fílmica.

Eternizando a figura de Ghostface como o serial killer da saga, a história, criada pela mente brilhante de Wes Craven, revolucionou a estética e o storytelling da segunda metade dos anos 1990 e influenciou inúmeras produções similares anos depois – até mesmo influenciando a si própria, com reboots, séries derivadas e uma recente requel (reboot e sequência) que vem dominando os cinemas ao redor do mundo.



Para aqueles não familiarizados, o enredo dos quatro primeiros títulos acompanha Sidney Prescott (Neve Campbell), uma traumatizada jovem que vira alvo de um assassino mascarado que se inspira em clássicos do terror para suas matanças. Coletando diversas vítimas com o passar do tempo, Sidney descobre que seu passado e suas ações no presente são os principais catalisadores para que psicopatas sempre resolvam ir atrás dela – e atrás dos outros protagonistas, como Gale Weathers (Courteney Cox) e Dewey Riley (David Arquette).

Aproveite para assistir:

Filme a filme, novos personagens foram introduzidos, novos assassinos conquistaram o público e, em 2022, uma nova geração foi apresentada aos fãs, prometendo inclusive o início de mais uma saga – dessa vez acompanhando Sam (Melissa Barrera) e Tara (Jenna Ortega).

E, enquanto o impacto dos longas é perceptível há mais de 25 anos, é interessante analisarmos os números por trás deles. Para tanto, resolvemos destrinchar o incrível gráfico montado pelo site G1, que explicita o número de gritos, mortes, porradas e muitos outros de cada título.



Como bem aponta o subtítulo do gráfico, “quantidade não é qualidade”, independente do que os fãs mais hardcore de Pânico falem.

No tocante a praticamente todas as categorias discriminadas, é notável como levou quinze anos até que a franquia deixasse o sangue correr solto – e desse ainda mais poder para os assassinos. Pânico 4’, lançado em 2011, foi o primeiro título a introduzir a trama a um público que acabava de descobrir essa pérola do cinema (este que vos fala, por exemplo, tinha 14 anos quando o filme saiu nos cinemas). Apesar dos altos números de bilheteria, que quase cruzaram a marca de US$100 milhões, o filme se torno o segundo menos bem avaliado da franquia (com 61% de aprovação no Rotten Tomatoes52 pontos no Metacritic).



A história traz de volta Sidney, Gale e Dewey, que se reúnem em Woodsboro para dar fim a um novo massacre que se iniciou – mas, na verdade, é Jill Roberts quem rouba os holofotes. A psicótica prima de Sidney, vivida por uma rendição memorável de Emma Roberts, se uniu com Charlie Walker (Rory Culkin) para a maior série de matanças de toda a saga – que culminou em nada menos que 13 mortes (contra 11 de Pânico 3’, com a segunda maior contagem de corpos).

Mas isso não é tudo: o quarto filme também extrapolou na quantidade de referências cinematográficas e discussões cinéfilas, além de conquistar o topo dos sustos e dos ataques por parte dos serial killers. E, considerando que a resposta à narrativa não foi tão sólida quanto o esperado, percebe-se que o exagero, por vezes, não é o melhor caminho a ser tomado.

Vejamos o Pânico original: para além da ideia, que nunca havia sido esmiuçada com tanta criatividade quanto aqui, Craven e o roteirista Kevin Williamson souberam como dosar todos os elementos de que se valiam, apostando em momentos de maior ternura ou de maior comicidade entre os protagonistas e auxiliando a alavancar tanto o gênero slasher quanto o terror adolescente que se tornara muito popular na década de 1990. Na produção, apenas 5 pessoas foram vítimas de Ghostface, enquanto o antagonista sofreu 20 ataques por parte dos outros personagens, alimentando uma luta pela sobrevivência que parece ter sido perdida nos capítulos seguintes.



A receita para o sucesso foi definitiva: além de arrecadar mais de US$173 milhões mundialmente, o filme foi recebido com 79% de aprovação no RT e foi condecorado com inúmeras honrarias, incluindo um lugar na lista 100 Years… 100 Thrills, do American Film Institute.

Neste ano, os diretores Matt Bettinelli-OlpinTyler Gillett souberam como usar a mesma fórmula a seu favor – conseguindo honrar a memória de Craven de maneira espetacular e abarcando 75% de aprovação no RT, bem como uma abertura surpreendente (já tendo arrecadado mais de US$50 milhões em menos de quatro dias de exibição). E, como podemos ver, as similaridades são diversas: ambos tem a menor contagem de mortes (cinco cada), o menor número de ataques (seis, ao lado de Pânico 3’) e uma quantidade altíssima de respostas contra o assassino (20 e 19, respectivamente).



Os números não mentem: apostar fichas na humanidade dos personagens e não apenas descartá-los permite que o público se interesse pelo arco e pelo desenvolvimento deles. O título de 1996 é o início de tudo; o de 2022, uma reapresentação das infinitas vertentes do slasher, dos revivals e das continuações que começaram a dominar o cenário cinematográfico nos últimos tempos. É por esse motivo que as referências metalinguísticas estão em peso (11 cada), mas, diferente do excesso de Pânico 4’, todas elas têm um propósito: dar ritmo e desenrolar a história.

A quantidade de gritos também foi um fator analisado pelo consórcio de imprensa – e também revela que uma trama fraca não é capaz de se sustentar apenas de gritos. Pânico 3’ tem 62 deles (quase o dobro de Pânico 4’, que fica em 2º lugar com 37) e é considerado o pior da saga, com 41% de aprovação no RT56 pontos no Metacritic.

Como é possível ver, Pânico não é só uma franquia slasher, e sim uma aula de marketing que deixa muito claro que os números são extremamente importantes para o sucesso de um longa-metragem – mesmo que esses números sejam carregados de tragédia, sangue e morte.

Não deixe de assistir: