Dezessete anos e oito álbuns mais tarde, Britney Spears viria a entregar a última obra de sua carreira (ao menos por ora). Depois do fracasso crítico e comercial de Britney Jean’, uma investida que tentou canalizar o EDM em um experimentalismo complexo e excessivo, a princesa do pop resolveu voltar ao final da década de 1990 e começo da de 2000 para começar a pensar em sua próxima era. Começando bem cedo a trabalhar em mais um compilado de originais, levou três anos para que a cantora e compositora escolhesse os nomes certos para lhe acompanharem nessa mais nova jornada – que ficaria conhecida como Glory.

Era apenas natural que o público ficasse com um pé atrás depois de se decepcionar com o frustrante resultado do disco predecessor – que, por mais que tivesse seu coração no lugar correto, falhou em criar uma identidade que remetesse a qualquer estilo de Britney da última década. Entretanto, as coisas pareciam caminhar bem: a performer renovou seu contrato com a RCA Records e não trabalhou sob a pressão de um prazo, podendo tirar o tempo necessário para se concentrar na música. Com o lançamento do divertido lead single “Make Me…” em julho de 2016, aliando-se ao rapper G-Eazy e ao conhecido produtor e compositor Burns, os fãs foram à loucura ao perceber que a icônica popstar estava pronta para voltar à forma.

A crítica em questão resolveu escolher a edição deluxe para ser analisada, pelo motivo de trazer nada menos que oito faixas adicionais que foram descartadas da versão padrão e que merecem nossa atenção. E, ao tirarmos um tempo para prestar nas narrativas que se desenrolam e no cuidado primoroso da construção fonográfica, percebemos que Glory é grandioso dentro das mensagens que pretende evocar, guiado por uma simplicidade apaixonante que não se desespera em qualquer momento e que revela um lado mais íntimo e pessoal de Spears (algo que não víamos desde o justificável discurso enraivecido e cínico de Blackout, que se consagrou como uma resposta pungente ao narcisismo midiático dos paparazzi). De fato, é aqui que a artista demonstra uma confiança invejável e um amadurecimento que remonta aos tempos de In The Zone, mantendo-se fiel a uma sensualidade envolvente e a uma ambiguidade lírica que nos faz clamar por mais.



Há uma quantidade sólida de faixas muito boas dentro do espectro comedido do álbum: “Make Me…” flerta com o mid-tempo do electro-pop e do R&B e usa todas as fórmulas conhecidas a seu favor, incluindo o enredo romântico, as batidas sintéticas e um refrão sonoro acompanhado apenas das palavras titulares. Porém, é “Slumber Party” quem rouba os holofotes; produzida pela dupla sueca Mattman & Robin, a track se afasta dos elementos explorados nem Glory e permite que uma espécie diferente de reggae-pop venha à superfície, pincelado com a química estonteante entre Britney e Tinashe e com a presença inesperada de marimbas e trompetes.

Aproveite para assistir:

Além das incursões instrumentais, são as rendições vocais de Spears que nos chamam a atenção, principalmente por se afastarem do desmedido uso de autotune visto em Britney Jean’ e até em Femme Fatale e Circus. As afetações são escolhidas a dedo e com um interessante propósito que retoma as tentativas conceituais do início dos anos 2010 e investe um tempo categórico para que elas funcionem – como vemos na ecoante e onírica abertura de “Invitation” e no deep-pop da memorável “Do You Wanna Come Over?” (cuja mistura de estilos é divertida e cumpre com as expectativas premeditadas). Num escopo similar, temos as modulações reverberantes de “Clumsy”, “Change Your Mind (No Seas Cortes)” e “Hard To Forget Ya”, essa última pegando elementos bastante familiares elevados à décima potência.

Nem todas as iterações funcionam, como é o caso da repetição cansativa de “Just Like Me”. A música, localizada na transição do primeiro para o segundo ato, talvez tenha sido colocada no lugar errado: ela se inicia com estalos de dedo e a melodia reconhecível do violão, ambos os toques sendo deixados de lado em prol de um pré-refrão e um refrão exaustivo que repete constantemente o título (algo que não funciona por ser reminiscência do lead single, por exemplo). “Private Show” também tropeça nos mesmos obstáculos, não tendo ideia do que fazer com o doo-wop de que se vale ou de como se aliar à teatralidade em demasia de Spears. Enquanto isso, “If I’m Dancing” funciona como um rip-off do R&B absorvido por Beyoncé em ‘4’, e “Coupure Électrique”, ainda que acerte no experimentalismo sonoro, erra na escolha de se posar dentro de um pseudo-francês inexplicável.



É quase irônico ver que são as faixas-bônus da versão deluxe que incrementam a produção – e só temos a agradecer à performer por ter nos presenteado com elas. “Liar” alimenta um electro-country-pop regado a versos muito bem pensados; “Mood Ring”, encabeçado por Dijon McFarlane, é um electro-R&B que faz ótimo uso dos aspectos de que se dispõe; e, fechando com chave de ouro, temos a cândida exuberância reflexiva de “Swimming in the Stars” (uma das melhores canções da carreira de Britney) e a colaboração viciante de “Matches”, executada junto ao lendário grupo Backstreet Boys.

Glory marca o retorno da princesa do pop à forma – e não poderíamos estar mais felizes. Apesar que já faça cinco anos desde seu último respiro artístico na indústria fonográfica, sabemos que ela enfrentou um longo processo de libertação da família e de seus produtores, mas, quando decidir voltar, esperamos que trilhe um caminho parecido com este (que conseguiu mostrar Britney como Britney como nunca).

Nota por faixa:

1. Invitation – 3,5/5
2. Do You Wanna Come Over? – 3,5/5
3. Make Me… (feat. G-Eazy) – 3,5/5
4. Private Show – 2/5
5. Man On The Moon – 4/5
6. Just Luv Me – 3,5/5
7. Clumsy – 3,5/5
8. Slumber Party – 4,5/5
9. Just Like Me – 2,5/5
10. Love Me Down – 3/5
11. Hard To Forget Ya – 3,5/5
12. What You Need – 3/5
13. Better – 3,5/5
14. Change Your Mind (No Seas Cortes) – 4/5
15. Liar – 4/5
16. If I’m Dancing – 2/5
17. Coupure Électrique – 3/5
18. Mood Ring (By Demand) – 3,5/5
19. Swimming In The Stars – 5/5
20. Matches (com Backstreet Boys) – 4/5

COMENTÁRIOS

Não deixe de assistir: