Os últimos anos têm sido bastante complicados para Kesha: depois de passar por um centro de reabilitação devido aos seus distúrbios alimentares e entrar numa batalha sem fim contra o produtor Dr. Luke devido a assédio sexual, abuso emocional e discriminação de gênero, ela voltou aos holofotes em 2017 com Rainbow, que sem sombra de dúvida insurgiu como um poderoso solilóquio (e, de quebra, uma obra-prima em todos os seus aspectos) acerca de temas complexos e que precisavam de espaço dentro de uma indústria marcada por traumas e por relações de poder ridiculamente controversas. Três anos depois, a cantora resolveu mudar sua perspectiva artística ao declarar abertamente para o mundo sua reconciliação com a felicidade e seu reencontro com a paz, com a dança e com a música – lançando o aguardado High Road, seu quarto álbum de estúdio.

Antes de tudo, é necessário dizer que é sempre ótimo ver algum nome outrora prolífico voltar com a força necessária para superar tantos obstáculos e, independente da qualidade musical que Kesha nos apresenta aqui, seu principal objetivo (como já mencionado) é se tornar autossuficiente e se divertir – o que explica seu apreço instantâneo pela infusão dos gêneros e subgêneros do pop que explorou em investidas anteriores (marcando um saudosista abraço para singles como “Blow”, “Tik Tok” e “Your Love Is My Drug”, aproximando-se de sonoridades familiares e alcançando um amadurecimento claro. É nesse escopo chamativo em que “Tonight” é firmado, em meio a dissonâncias propositais e reflexões sonoras bizarras, mas cativantes.

De fato, o impactante classicismo do começo da década passada deixa de existir em prol de uma fusão do pop com um rap mais brando e lapidado, por assim dizer. Em outras palavras, a bem-vinda brutalidade encontra um equilíbrio com a cândida (e irreverente, não se deixem enganar) personalidade da lead singer. “My Own Dance”, por exemplo, nos recorda em ritmo e em visual da polêmica era Bangerz de Miley Cyrus, ao passo que se situa em um nicho único. Na verdade, as quatro primeiras tracks pulsam com esteroides sintéticos, desconstruindo e reconstruindo dentro de seus próprios termos um respaldo que outrora acharíamos saturado – o que é interessante, visto que grande parte dos cantores e compositores agora se rendeu à ascensão inexplicável do trap music.

Neste novo CD, Kesha não tangencia e nem mesmo deseja passar de uma polidez pré-fabricada: ela faz o que bem entende e o que lhe dá prazer e, no final das contas, é exatamente isso o que prezamos quando tentamos nos conectar com uma peça fonográfica. Não é surpresa (ou talvez seja) quando nos deparamos com uma faixa tão inesperada quanto “Potato Song (Cuz I Want To)” ou a união de um expressivo coral com o grave minimalismo de um baixo e os versos cantados de um declamatório hino de triunfo em “Shadow”.

A performer, jamais abandonando o que fez com que nos apaixonássemos por ela vários anos atrás, sabe como dosar frenéticas rendições com pinceladas drenadas de baladas country com facilidade invejável e assustadora – e é esse tipo de estranheza que nos mantém de ouvidos atentos com as múltiplas camadas que ela nos fornece. Enquanto o conto interiorano “Cowboy Blues” encanta por sua teatral cantiga, a música-título vibra com ondas coloridas de provocação; logo depois, retorna para as origens e honra Dolly Parton e Jo Dee Messina ao lado de Brian Wilson com “Resentment”, apenas para se jogar de cabeça na deliciosa, senão formulaica canção-marchinha “Little Bit of Love”.

Aproveite para assistir:

Entre incursões circenses e anacrônicas que transformam as escolhas mais excêntricas em construções sólidas e divertidas por todos os motivos que consigamos pensar, o álbum continua nos fascinando do começo até o fim. Porém, em certos momentos, Kesha parece almejar tanto a uma coisa nova e diferente do que o público está acostumado a ouvir, que acaba se submetendo a uma convergência de estilos que demora a engatar; é claro que sua navegação profunda pelos instrumentais oitentistas e noventistas são compilados em um capítulo novo e modernizado, mas alguns deles não são fortes o suficiente para nos livrar do prolongamento desnecessário de certos momentos em produções como “Kinky”.

Incrivelmente, a obra fica cada vez melhor e não se desconecta das mensagens que procura nos entregar. Com a trindade “BFF”, “Father Daughter Dance” e “Chasing Thunder”, High Road é uma incrível adição à discografia de Kesha, provando que a artista precisava apenas de um empurrãozinho para reencontrar sua felicidade e sua alegria de fazer o que sempre amou: música.

Nota por faixa:

  • Tonight – 3,5/5
  • My Own Dance – 4,5/5
  • Raising Hell (feat. Big Freedia) – 3/5
  • High Road – 4/5
  • Shadow – 4,5/5
  • Honey – 5/5
  • Cowboy Blues – 5/5
  • Resentment (feat. Brian Wilson, Sturgill Simpson e Wrabel) – 5/5
  • Little Bit of Love – 4,5/5
  • Birthday Suit – 4/5
  • Kinky – 3/5
  • The Potato Song (Cuz I Want To) – 4,5/5
  • BFF (feat. Wrabel) – 4,5/5
  • Father Daughter Dance – 5/5
  • Chasing Thunder – 5/5
Comentários

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE