Crítica 2 | Poltergeist – O Fenômeno

Crítica 2 | Poltergeist – O Fenômeno

COMPARTILHE!

Tentando recriar todo o clima de suspense e terror que aterrorizou espectadores na década de 80 com a versão do craque Tobe Hooper, chegou aos cinemas de todo o Brasil na última quinta-feira, Poltergeist – O Fenômeno, a nova versão hollywoodiana do clássico do gênero. Repleto de diálogos recheados por um humor que não combina em nada com a essência da história e repleto de efeitos que não adicionam em nada a tensão que a trama de outrora criara. Ao final da projeção, uma indignação toma conta do coração cinéfilo.

Na trama, acompanhamos o azarado Eric Bowen (Sam Rockwell) que mesmo sem emprego tenta dar uma vida nova para sua família. Assim, a família Bowen se muda para uma cidade onde não conhecem nada nem ninguém e aceitam comprar uma nova casa, que mais tarde eles viriam saber ser construída embaixo de um antigo cemitério. As crianças da casa são as primeiras a perceber que a casa está amaldiçoada por fantasmas, sendo assim os pais precisarão reunir força para combater essas inacreditáveis aparições assombrosas.

Toda a alma da história foi sugada por uma direção menos que regular do britânico Gil Kenan e por atuações heteróclitas, principalmente de Sam Rockwell. É muito triste para nós que amamos cinema assistir a um remake/homenagem a um dos filmes mais legais das últimas décadas, do gênero terror, sem nenhuma inspiração. Para se fazer uma regravação de um filme que marcou uma geração, o filme precisa ser muito bom, fato que não ocorre com esse trabalho nem com o chatíssimo Oldboy (2015) de Spike Lee que fora lançado nos cinemas recentemente.




Não há muitos sustos imprevisíveis, há apenas sustos calculáveis oriundos de idéias vistas em outros filmes hollywoodianos. O filme parece ser mais um enlatado norte-americano que peca pela falta de criatividade e pela falta de competência em encontrar um diretor certo para o trabalho. Os atores, em sua maioria, foram mal escalados, parecem não entender ao certo seus personagens. Resumindo: uma grande decepção.

Curta nossa ENTREVISTA com a Nina Dobrev:


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «