Os PIORES filmes da primeira metade de 2017

Os PIORES filmes da primeira metade de 2017

COMPARTILHE!

Também conhecido como ‘a vingança dos críticos’, este é o momento no qual podemos revidar e retribuir carinhosamente àqueles filmes que nos tiraram duas horas (em média) de nossas vidas. Duas horas que jamais iremos recuperar. É claro que nem todos se sentiram ou sentirão assim em relação aos filmes abordados nesta lista, portanto é importante frisar que esta é unicamente a opinião deste que vos fala, e que recomendo sim que assistam para deixar seu parecer nos comentários.

Outro parêntese que precisa ser mencionado é que nesta lista temos não apenas produções exibidas nos cinemas, mas também filmes que por um motivo ou por outro foram lançados direto no sistema de home vídeo no Brasil. O requisito é o lançamento em 2017, não importando a plataforma. Então, sem mais delongas, vamos à lista e preparem-se para riscar estes itens em seu caderninho.

10 | Paixão Obsessiva

Este é um item que quase não deveria estar na lista, recaindo totalmente no quesito guilty pleasure, ou prazer culposo. Filmes tão ruins que chegam a ser bons. Melhor ainda quando a coisa parece ser consciente, como no caso deste suspense dramático de quinta. O filme deixa no chinelo qualquer novela mexicana caricata e exagerada, perpassando de cabeça erguida todos os clichês do gênero, e arrancando mais risadas do que tensão. A queridinha problemática Katherine Heigl dá tudo de si como a vilã mais cruel do ano, tão malvada que comeria os inimigos em filmes de super-heróis no café da manhã, enquanto penteia seus cabelos loiros indefectíveis de frente para o espelho. Seja como for, muitos não entenderão a “brincadeira”, levando o filme a sério. E é aí que temos um problema.

     

09 | O Espaço Entre Nós

Este filme protagonizado pelo jovem talentoso Asa Butterfield soa como uma dessas produções baseadas em algum livro de ficção juvenil de sucesso. Não é o caso. Este romance adolescente / ficção científica é na realidade um roteiro original. O resultado faz parecer que o texto esteve engavetado por anos, ou décadas, e quem sabe realmente foi o caso, já que alguns projetos só conseguem ver a luz do dia muito tempo depois. O estilo de história é muito similar aos que eram feitos na década de 1980 e 1990. Apesar do empenho de todos os envolvidos, a coisa nunca engrena de verdade. Não conseguimos nos conectar com a trama ou os personagens. Fora isso, o casal protagonista não possui muita química, talvez pela diferença de idade entre Butterfield e Britt Robertson (Girlboss), dez anos mais velha, interpretando uma colegial.

08 | War Machine

A primeira produção da lista lançada direto em vídeo. Mas este não é o caso de filme que não encontrou lugar nas salas de cinema, e sim de uma obra original Netflix. Damos muito valor ao colosso do audiovisual, ao ponto de endeusá-lo. Mas até Deuses são falhos. War Machine mostra o poder da empresa, ao alistar um nome tão grande quanto o de Brad Pitt. Pena que a primeira parceria entre estas potências de Hollywood tenha resultado num longa morno, sem o humor afiado que uma sátira de guerra dessas necessitava. Pitt é a melhor coisa aqui, descobrindo novas expressões faciais, porém, aparentando estar em outro filme. A obra não se decide entre a brincadeira ou a seriedade, já que mudanças de tons como estes precisam existir numa tênue linha. Uma pena, além de tudo por termos na direção o talentosíssimo David Michôd (Reino Animal e The Rover – A Caçada). Talvez humor não seja a sua praia, ou precise de mais prática.

07 | The Discovery

Outra produção original Netflix. Essa, no entanto, fez seu debute nos cinemas, durante o Festival de Sundance deste ano, antes de cair na grade de programação da plataforma. Os nomes no elenco são chamativos, vide Robert Redford, Rooney Mara e Jason Segel, e a trama interessante fala sobre experiências sensoriais do além-vida, misturando ciência à espiritualidade. A história apresenta um cientista que comprovou a existência do lugar para onde nossa alma vai após a morte. O fato desencadeia uma enxurrada de suicídios, todos buscando conhecer o novo lugar, já que se encontram saturados de suas vidas na Terra.

As questões levantadas são bem dignas e muito suculentas para debates, o problema é o resultado do filme, lento e extremamente enfadonho. Perdido, sem saber que caminho seguir, The Discovery mistura drama familiar, romance, situações estranhas, ficção científica e no final ainda consegue encaixar paradoxo temporal e viagem no tempo (acredite!). Ou seja, quem conseguir entender estará de parabéns. Melhor ainda, quem conseguir se manter interessado.

06 | Morgan – A Evolução

Mais um lançamento direto em home vídeo na lista, Morgan, no entanto, recai num item curioso. Originalmente, o estúdio responsável planejava lançar o longa nos cinemas brasileiros, seguindo o caminho feito nos EUA. Cartazes do filme foram produzidos e espalhados pelos cinemas, um trailer oficial legendado saiu e nas redes sociais anúncios eram vinculados para o lançamento nas telonas. Analisando a recepção negativa de crítica e público que o filme obteve lá fora, a distribuidora voltou atrás e adiou seu lançamento, optando pelo mercado de vídeo.

Morgan é uma mistura entre A Experiência (1995) e Ex-Machina (2015), sem a diversão trash do primeiro ou a pompa intelecto-existencial do segundo. O elenco de peso tem pouco a fazer e até a promissora Anya Taylor-Joy entra muda e sai calada, literalmente. Existiam boas ideias enterradas aqui em algum lugar, porém, o que prevaleceu foi o teor genérico e cenas rotineiras. O desfecho é quase inacreditável, mesmo para uma ficção.

05 | O Rastro

É duro, muito duro ter que falar mal de filmes brasileiros, levando em conta a dificuldade de se produzir no país. Mas um dos maiores desafios que um crítico profissional enfrenta é precisar ser honesto com o público e consigo. O Rastro gerou o hype de ser o primeiro filme de terror comercial brasileiro, já que contava com grandes nomes do nosso cinema, vide Leandra Leal, impulsionando no elenco, e uma distribuição em larga escala para o gênero. As prévias igualmente instigavam, apresentado uma macabra história de fantasmas dentro de um hospital abandonado.

Assim como no item acima, O Rastro possui boas ideias enterradas, pedindo para virem à tona. Problema um: no típico caso de gato por lebre, a premissa vende uma ideia que não é o que recebemos no filme. Problema dois: a falta de foco, são muitas subtramas brigando por atenção – a maioria se perdendo no caminho. Problema três: esse não é um filme de terror, ou ao menos um que assuste. Os sustos, ou famosos jumpscares, são fora de hora e o som estourado.

04 | Regressão

Mais um filme de terror na lista, ou melhor dizendo, um pseudo terror. Assim como Morgan, este longa teve o lançamento direto em home vídeo no Brasil, apesar de ter passado nos cinemas de outros países, e contar com um elenco e diretor renomados. O chileno Alejandro Amenábar entende do riscado, tendo no currículo produções perturbadoras como Preso na Escuridão (Abre los Ojos) – a versão original de Vanilla Sky (2001) – e Os Outros (2001), com Nicole Kidman. Por ter ficado desde 2009 sem dirigir um filme, talvez tenha “desaprendido”.

Pior para Ethan Hawke e especialmente para Emma Watson, estrela em ascensão, que já coleciona obras bambas em seu currículo. Um desperdício completo, Regressão pretende falar sobre a onda de cultos satanistas que atingiram seu ápice na década de 1980, e os problemas que tais seitas acarretaram para a polícia e psicólogos. Aqui também o longa não se decide entre o terror, o suspense e o drama, falhando nos três e nos deixando um gosto ruim na boca ao seu desfecho.

03 | Dominação

Por falar em terror, o gênero tem sofrido muito graças a produções pouco inspiradas. Talvez os fãs de terror tenham tanta má fama, ao ponto de produtores e cineastas pensarem que aceitarão de tudo, desde que tenham mortes, sustos fáceis e menções a coisas tenebrosas. É necessário construir um clima, boas cenas e personagens bem desenvolvidos, assim como em qualquer gênero, e depois adicionar tais elementos. Dominação é a mistura entre O Exorcista (1973) e Matrix (1999), e o resultado é tão ruim quanto a ideia soa.

O pobre Aaron Eckhart, que não tem tido muita sorte no gênero (Frankenstein – Entre Anjos e Demônios, alguém?), interpreta um cyber exorcista – isso mesmo, você leu certo – que desempenha a função de tirar o capeta do corpo de seus clientes, ao entrar em sua mente e lá travar uma batalha com o coisa ruim. Uma ideia esdrúxula, mas que até poderia funcionar caso o filme utilizasse uma coisa que falta nele de sobra: diversão. Sombrio e completamente rotineiro, Dominação ainda mancha as carreiras das talentosas atrizes Carice van Houten, Catalina Sandino Moreno e do diretor Brad Peyton (Terremoto: A Falha de San Andreas), além de entregar em seu cartaz o grand finale. Não se compra spoilers como este. Ou se deseja.

02 | Max Steel

A ideia de adaptar um brinquedo na forma de uma produção cinematográfica não é novidade. Desde linhas de bonecos (os famosos action figures para os meninos), passando por jogos de tabuleiro, até chegarmos aos vídeo games hoje em dia, tal tendência data da década de 1980. Filmes como Os 7 Suspeitos (1985) – baseado no jogo Detetive (Clue) – e Mestres do Universo (1987) – baseado na linha de bonecos He-Man – podem ser considerados os precursores do subgênero. Hoje temos filmes como Transformeres, Battleship – A Batalha dos Mares e G.I. Joe. Este ano, uma coleção de brinquedos para a nova geração resolveu dar as caras na telona e o resultado foi simplesmente desastroso.

Imaginem a história de origem de qualquer super-herói e temos Max Steel. Somado a isso temos também a trama de qualquer filme adolescente. Veja todos os itens sendo riscados desta cartilha: garoto novo chega à cidadezinha, se apaixona pela bela menina do colégio e aos poucos descobre segredos de seu pai. Se você já viu qualquer filme de ambos os gêneros conhecerá muito bem o que temos aqui. De novo repito que pode haver originalidade em tramas recicladas, se nos pequenos detalhes os cineastas conseguirem retirar frescor, seja de atuações, cenas ou personagens. É só olharmos para o novo Power Rangers, lançado este ano, para entendermos que Max Steel é a versão que não deu certo.

01 | Beleza Oculta

Chegamos ao pódio da vergonha alheia. É justamente assim que esse dramalhão lacrimoso e piegas até a medula pode ser classificado. Adoro os filmes do diretor David Frankel, vide O Diabo Veste Prada (2006) e Um Divã para Dois (2012), mas qualquer sutileza usada em ambos estes filmes, foi completamente jogada pela janela na hora de confeccionar Beleza Oculta. Frankel escorrega repetidas vezes ao tentar encontrar um tom para a obra, sem se decidir se será uma fantasia ou um drama passado em nosso mundo. Muitos irão argumentar que não passa de um filme de natal inofensivo, mas é preciso ler nas entrelinhas de forma minuciosa, para perceber o nível de ruindade que permeia o todo.

É preciso apontar o filme como ponto baixo deste início de ano, já que grandes atores como Will Smith, Helen Mirren, Kate Winslet e Keira Knightley, só para citar alguns (este é verdadeiramente um dos melhores elencos do ano), deram seu aval e acharam que este era um filme que valeria a pena participar. Talvez o problema esteja mesmo com o roteiro de Allan Loeb – não por acaso, roteirista de O Espaço Entre Nós e das atrocidades Esposa de Mentirinha (2011), com Adam Sandler, e Coincidências do Amor (2010), com Jennifer Aniston. Na história, o personagem de Smith sofre uma tragédia com a morte de um ente querido e se fecha para o mundo. Até aí ok. O problema é a forma como ele escolhe sofrer, o que acaba prejudicando várias pessoas, entre elas os companheiros de firma.

Mas não para por aí, como remédio ao controverso sofrimento, só uma terapia mais bizarra ainda. Os “colegas” decidem contratar atores para fingirem ser “entidades” como a Morte e o Amor, para quem o sujeito escreve cartas (??!), e enganar o companheiro para que sua depressão não prejudique um grande contrato da empresa. Ah, que ternura. O pior é que o trouxa sujeito inteligente e educado acredita. No final ainda ganhamos reviravoltas tão estapafúrdias e incompreensíveis que fará as reprises das novelas do SBT soarem como vencedores do Oscar.

Menções (Des)Honrosas:

Cinquenta Tons Mais Escuro – É tão ruim que dá sono.

Alien – Covenant – O que você fez, Ridley Scott?

O Chamado 3 – Samara virou YouTuber, e a franquia foi parar no fundo do poço…

A Cura – Parte de uma categoria ingrata, o terror que não dá medo.

Uma Repórter em Apuros – Sim, Tina Fey também erra. Tem Margot Robbie, mas você nem vai ligar. Quer pecado maior?

Baywatch – Falta graça. A química ente The Rock e Zac Efron é nula. As piadas se repetem até perderem de vez a força. Tem Alexandra Daddario, mas você também não vai ligar. O que está acontecendo?

Castelo de Areia – A estreia do ótimo cineasta brasileiro Fernando Coimbra (O Lobo Atrás da Porta) em terras gringas foi… bem, morna.

Além da Ilusão – Nem todo filme de arte e de pretensa estirpe se sai bem, ou de fato é bom. Este engodo enfadonho, de subtexto sobrenatural, visando falar sobre espiritismo, te fará cochilar mais rápido do que um show da Mallu Magalhães. Pobre Natalie Portman.


Crítica 'Mãe!' | O filme mais insano de 2017!


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.