“O que me atingiu mais ao falar [com a comunidade transexual] foi o quanto eles enfrentaram, quantos ataques eles recebem, quantos deles encontram dificuldade em conseguir saúde pública e trabalho. Então eu decidi fazer mais do que um show para [eles]. Eu quero estender a mão e ajudar a comunidade”.

Nessa entrevista à Variety, o prolífico realizador Ryan Murphy anunciava, antes mesmo da estreia da série Pose, que todos os lucros da produção seriam destinados ao Transgender Legal Defense & Education Fund, organização fundada para ajudar os jovens transexuais a terem maiores oportunidades em uma sociedade extremamente retrógrada e preconceituosa. A decisão de Murphy em fazer isso não veio após o lançamento do drama, e sim como uma forma de diminuir esses abismos e fomentar discussões sobre identidade de gênero que são deixadas de lado em prol de uma controversa defesa tradicionalista do que significa ser “homem” e “mulher”. Rechaçado pelos conservadores, ele se tornou responsável, ao lado de nomes como o do frequente colaborador Brad Falchuk e de Steven Canals, Nina Jacobson e Janet Mock, por levar tais pautas ao cenário mainstream.

É claro que narrativas sobre pessoas transexuais já existiam antes no cinema, mas nunca de uma forma tão verdadeira ou revolucionária quanto com Pose. Nos últimos anos, o escopo cinematográfico e televisivo lidou com um aumento exponencial dessas narrativas, como o aclamado ‘Uma Mulher Fantástica’, que gira em torno de uma mulher trans que luta contra a família de seu amado após sua morte e que se tornou a primeira produção no Oscar a trazer uma personagem transexual e uma atriz transexual a ganhar uma estatueta; ou também o controverso ‘A Garota Dinamarquesa’, que reviveu a história de Lili Elbe, mas foi estrelado por um homem cis-hétero (Eddie Redmayne); ou os documentários Paris Is Burning e ‘Revelação’, que permanecem como títulos obrigatórios para quem queira estudar a representatividade trans na mídia.



As obras mencionadas acimas são apenas algumas das que trouxeram tal temática aos holofotes – e representam uma porcentagem ínfima do número absurdo de filmes e séries que são lançados dia a dia. Pose, dessa maneira, veio para abalar as engessadas estruturas da criação artística e promoveu uma transgressão dos paradigmas: primeiro, Murphy contratou o maior elenco protagonista trans da história do entretenimento; segundo, aliou-se a nomes de peso da comunidade para permitir que estrelas como Dominique Jackson e Mj Rodriguez ascendessem a uma fama inenarrável – Rodriguez inclusive faturou uma indicação ao Emmy de Melhor Atriz em Drama por seu papel como Blanca Rodriguez (e tem grandes chances de levar a estatueta para casa); e, terceiro, contribuiu para conversas de importância inenarrável para a contemporaneidade, inclusive a destruição de tabus e comentários LGBTQfóbicos movidos por um ódio infundado e generalizado.

Aproveite para assistir:

Segundo estudos do Human Rights Campaign, o ano de 2021 registrou um recorde de assassinatos de pessoas trans e de gênero não-conformista nos Estados Unidos: 28 pessoas foram mortas, com a maioria das vítimas sendo negra ou latina – o maior número em seis anos. Já no Brasil, a situação é mais complicada: em janeiro de 2020, a ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) chamou atenção pelo fato do nosso país continuar como o que mais mata travestis e transexuais no mundo inteiro, apresentando um aumento de 90% de homicídios contra a comunidade em relação ao ano anterior e caindo para a 68ª posição no ranking de países seguros para a população LGBTQIA+. Esses aumentos injustificáveis refletem também a baixíssima expectativa de vida da comunidade trans – que gira em torno de 35 anos, metade da média nacional.

Pose pode até ser ambientado no efervescente cenário dos anos 1980 e 1990 dos EUA, mas, certamente, serve como uma aula de identidade de gênero e das preocupações que a população queer, especialmente as mulheres trans negras e latinas, enfrentam quando resolvem levantar a voz frente a injustiças sociais e à falta de oportunidades. As personagens principais foram desmoralizadas e diminuídas por serem quem são e por ousarem sair da conformidade de gênero e se expressarem de um modo mais verdadeiro. Grande parte das personagens, como Elektra (Jackson), Angel (Indya Moore) e Candy (Angelica Ross), se viram obrigadas a encontrar um modo de sobreviver como prostitutas e trabalhadoras do sexo – algo que parece duro, mas representa a altíssima porcentagem de mulher trans que recorrem a esses meios para ganhar dinheiro (representando quase 15% do total, segundo a National Transgender Discrimination Survey de 2015).



Como se não bastasse, elas, ao lado de Pray Tell (Billy Porter), Damon (Ryan Jamaal Swain), Ricky (Dyllón Burnside) e tantos outros, são vítimas do estigma segregativo do boom do HIV e da AIDS, infecção sexualmente transmissível que servia como aval para a marginalização dos LGBTQIAs e para que as pessoas aquiescessem a um estilo de vida heteronormativo e à risível defesa de um “núcleo familiar tradicional” que, na verdade, é fruto de um pensamento religioso e quase medievalista. Em meio a tantos obstáculos, cada protagonistas e coadjuvante reúne as forças necessárias para vencer os obstáculos e tentar, de alguma forma, alcançar um modo de vida digno.

A dramatização da época em questão é certeira em diversos aspectos realistas – principalmente quando a série nos transporta para o escondido microcosmos dos ballrooms. Os bailes em questão, parte da própria existência de Nova York e de tantas outras cidades ao redor do mundo (como São Paulo e Londres), surgiram como espaço de resistência e de promoção da diversidade, pavimentados como refúgios para jovens LGTBQIA+ expulsos de suas casas, por exemplo. Tal cenário ganhou expressividade nos anos 1960 e pelas mãos da comunidade negra latino-americana, mantendo-se vivo até os dias de hoje. É aqui, também, que as Casas ganham vidas (grupos que emulam as configurações familiares) e onde o voguing, dança inspirada pela revista Vogue, é apreciado por todos.

Cada elemento de Pose deve ser apreciado em sua completude e compreendido como um breve retrato de uma história que auxilia na desconstrução de tabus e máculas que acompanham essa comunidade desde sempre. Por esse e por tantos outros motivos, a série, com apenas suas três temporadas, tornou-se uma das mais importantes e essenciais do escopo mainstream – e suscitou uma revolução queer que mudou para sempre a nossa maneira de enxergar o mundo.

Comentários

Não deixe de assistir: