Se você perguntar para dez fãs de cinema qual o melhor filme de todos os tempos e qual a melhor trilogia da sétima arte, O Poderoso Chefão será a resposta para, pelo menos, nove deles. No ano em que completa 30 anos de seu lançamento, o terceiro filme da famosa trilogia ganha uma nova versão confeccionada pelo próprio criador, o cineasta Francis Ford Coppola.

E quando a Paramount convidou o diretor para a tarefa, ele considerou esta “uma oferta que não poderia recusar”. A partir do dia 3 de dezembro, em cinemas selecionados do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília, O Poderoso Chefão Desfecho: A Morte de Michael Corleone estará em cartaz para presentear os fãs no fim deste ano tão difícil. Porém, os que não puderem comparecer e assistir a este grande filme em toda a sua glória nas telonas, terão a chance de conferi-lo na semana seguinte, a partir do dia 8 do mesmo mês, quando estreia nas plataformas digitais Net Now Claro, Sky, Apple TV, Google Play, Vivo, Oi, Xbox Video e PlayStation Store.



O primeiro O Poderoso Chefão (1972), como dito, ainda é o filme preferido de grande parte do público, e recebeu 11 indicações ao Oscar, vencendo 3 estatuetas: melhor filme, roteiro adaptado e protagonista para o inigualável Marlon Brando. Dois anos depois e a mesma equipe tirava do forno O Poderoso Chefão II (1974), que muitos acreditam ser ainda melhor, sendo motivo de discussões acaloradas entre os cinéfilos. Bem, ao menos para os votantes da Academia o segundo é sim melhor, já que das novas 11 indicações, saiu vitorioso de 6 desta vez, incluindo melhor filme, diretor para Coppola, roteiro adaptado e ator coadjuvante para Robert De Niro, que vive o mesmo personagem de Brando na juventude.

Dezesseis anos depois, debaixo de muito impasse e controvérsia, saía do papel O Poderoso Chefão III (1990). Para começar, Coppola não estava interessado em realizar mais uma continuação desta saga, mas quando viu que o projeto estava prestes a ser produzido sem seu envolvimento, voltou atrás e tratou um novo acordo com a Paramount. Assim, a terceira parte fechava a primeira trilogia do cinema a ter seus três filmes indicados ao Oscar principal de melhor longa – recorde que seria igualado alguns anos depois com o lançamento de O Senhor dos Anéis, de Peter Jackson. O Poderoso Chefão III foi indicado para 7 Oscar, incluindo melhor filme, diretor para Coppola e ator coadjuvante para Andy Garcia – que vive o esquentado Vincent, sobrinho de Michael (Al Pacino), e filho ilegítimo de Sonny (James Caan).

Aproveite para assistir:



O terceiro e tardio capítulo é o único da trilogia não baseado num livro. Os dois primeiros filmes são adaptações dos dramas criminais do romancista Mario Puzo. Mas isso não é dizer que O Poderoso Chefão III é um disparate, já que contou com roteiro do próprio Puzo. Então este é para onde o autor imaginou que sua trama andaria, caso optasse por escrever um novo livro. Na nova versão, Coppola inclusive se mantém fiel ao colega, intitulando-o ‘Mario Puzo´s Godfather’. No período, muitas ideias para a história surgiram, mas a que venceu as apostas foi esta narrativa sobre o envolvimento de Michael e os Corleone com o Vaticano, tentando legitimar seus negócios; a relação do protagonista com sua ex-mulher Kay (Diane Keaton) e filhos, agora crescidos; e a introdução de um novo membro do clã: o citado Vincent Mancini, o “bastardo”.

Mas no mundo do cinema, a vontade é apenas uma parte. E para os que acham que fazer um filme é pura magia, saibam que existe muito mais nas engrenagens desta máquina. Como por exemplo mudar uma história inteiramente por causa de um ator, ou até mesmo a perda do impacto que o drama deveria ter devido a uma escalação equivocada. O Poderoso Chefão III quase abriu sua primeira cena com o funeral de Michael Corleone. Tudo porque o astro Al Pacino exigia US$7 milhões de salário, ao invés dos US$5 milhões que o estúdio e o diretor estavam preparados para paga-lo. No fim, o ator vencedor do Oscar aceitou. Sorte igual, porém, não teve outro veterano. Quando Robert Duvall leu o roteiro, percebeu que dividiria o protagonismo com Pacino, com grande peso na trama desta vez. O roteiro seria quase um embate ideológico e literal entre os “irmãos”, com Tom Hagen agindo como informante agora. Assim, Duvall exigia um valor próximo ao do colega, mas o estúdio estava disposto a oferece-lo US$1 milhão. Duvall bateu o pé, e foi cortado do longa, com uma morte fora das telas.



Robert Duvall sempre manteve sua posição nesta questão sem arrependimentos, afirmando que a razão para qualquer um querer realizar uma continuação tantos anos depois era meramente financeira. E ele queria sua parte. Até mesmo Francis Ford Coppola tentou um acordo com o estúdio para o ator participar, mas a Paramount se manteve igualmente firme em sua decisão de diminuir os gastos. O diretor viria a dizer que o filme estava “incompleto” sem a participação de Duvall. Segundo o cineasta, sem Hagen, um personagem essencial, a contraparte para Michael Corleone estava faltando no filme. Para substitui-lo, foi “emendado” o personagem do advogado B. J. Harrison, claramente criado nos mesmos moldes e para desempenhar a mesma função de Hagen, porém, sem o mesmo brilho e destaque. O personagem foi interpretado por George Hamilton. Fora isso, o filho de Hagen, o Padre Andrew Hagen (John Savage), dá as caras nesta terceira parte.

Outra quase escalação curiosa foi a de Robert De Niro, que ganhou o Oscar ao viver Vito Corleone jovem na segunda parte da trilogia. O astro fez uma campanha forte para interpretar Vincent no terceiro filme, e Coppola chegou a cogitar, terminando por descartar a ideia depois. Se fosse adiante, o fato exigiria uma maquiagem ainda mais pesada a fim de envelhecer o protagonista de Pacino.

Porém, nenhuma escalação causou tanta controvérsia quanto a da personagem Mary Corleone, filha de Michael e um dos elementos centrais da narrativa. É claro que um papel suculento como este, num projeto grandioso, despertou o interesse de praticamente todas as atrizes em atividade na época em Hollywood. Até mesmo a cantora Madonna fez campanha para o papel, chegando a fazer reunião com Coppola e Robert De Niro – no final sendo considerada muito velha (então com 32 anos) para o papel. No mesmo ano, a estrela da música teria um papel importante em outro filme de máfia, a adaptação dos quadrinhos Dick Tracy, indicado para 7 Oscar e vencedor de 3 prêmios da Academia, e também estrelado por Al Pacino. No currículo do filme, até mesmo uma história trágica envolvendo a escalação de Mary: a jovem atriz Rebecca Schaeffer, conhecida na época pela série Minha Irmã é Demais (1986-1988), foi assassinada aos 21 anos de idade quando faria seu teste junto à produção para o papel.



Apesar de ser uma vaga disputadíssima, duas atrizes chegaram a recusar a personagem. A primeira foi Julia Roberts, aos 23 aninhos, na época conhecida por seu papel em Flores de Aço (que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de coadjuvante). A rejeição foi em prioridade de se tornar a protagonista no marcante Uma Linda Mulher, lançado no mesmo ano de O Poderoso Chefão III – que fez de Roberts uma estrela internacional, além de indica-la uma segunda vez ao maior prêmio do cinema. A segunda atriz a largar o papel foi uma que havia sido contratada, chegando inclusive a aparecer no set para as gravações nos primeiros dias. Winona Ryder tinha 19 anos quando concordou viver Mary Corleone no cinema – a atriz na época era considerada uma das jovens intérpretes mais talentosas e promissoras de sua geração. Sua partida súbita do projeto deu o que falar nos bastidores e na mídia, se tornando uma das polêmicas mais quentes do período. Ryder havia chegado à locação em Roma, dois dias após terminar as filmagens de Minha Mãe é uma Sereia (1990), e antes de gravar uma cena sequer, desfaleceu. Foi diagnosticada com exaustão. Boatos surgiram aos montes, desde gravidez, surto nervoso, drogas, traição do então namorado Johnny Depp, até sobre o ator tê-la convencido a abandonar o projeto para estrelar Edward Mãos de Tesoura ao seu lado. Ryder se sentiu culpada e dois anos depois capitaneou o projeto de Drácula de Bram Stoker para Coppola dirigir, um livro que o cineasta gostava muito, finalmente assim podendo colaborar juntos.

Sem muita opção, e já atrasado na produção, Coppola escalou sua filha Sofia para este trabalho desafiador. A repercussão tanto da escolha nepotista quanto da performance em si da moça, então igualmente com 19 anos de idade, foram cruéis com Sofia Coppola. As exibições teste nas cenas com a atriz teriam sido tão negativas, que Sofia precisou dublar grande parte de seus diálogos. É curioso notar que numa obra tão prestigiada, a atuação da filha do diretor siga sendo um elemento sensível. Numa virada positiva do destino, Sofia abandonaria a carreira de atriz para se tornar uma diretora igualmente prestigiada, vencedora do Oscar (pelo roteiro de Encontros e Desencontros) e uma das únicas cinco mulheres a serem indicadas pela Academia na categoria de direção. O mundo dá voltas.



Para a empreitada da nova versão, além do título originalmente planejado, Francis Ford Coppola remaneja cenas, corta quase quinze minutos excedentes (em sua opinião), inicia o filme da forma intencionada primeiramente e, sim, cria um novo desfecho nas cenas finais, que antagoniza um pouco mais seu protagonista Michael Corleone. Segundo o próprio diretor, a intenção desde o início para este terceiro filme era fazer Michael pagar por seus pecados e crimes. O Poderoso Chefão III custou US$54 milhões aos cofres da Paramount, e arrecadou US$170 milhões mundiais, com US$10 milhões só em seu fim de semana de estreia nos EUA. Com a nova versão, o filme ganha sobrevida.

Em 2010 durante uma entrevista, o ator Andy Garcia revelou que Francis Ford Coppola tinha planos para um quarto O Poderoso Chefão. A ideia do diretor era resgatar uma das possíveis tramas que quase entraram no terceiro longa, repetindo a estrutura narrativa do segundo filme, com duas linhas temporais distintas. Na primeira, Vincent (Garcia) comandava a família Corleone no presente. A segunda, mostraria a juventude de seu pai, Sonny – para o papel, Coppola estava decidido com um ator em mente: Leonardo DiCaprio. O diretor inclusive havia começado a trabalhar num roteiro com Puzo, mas a morte do autor fez Coppola abandonar a ideia. Segundo relatos, a Paramount estava decidida a dar continuidade para esta produção, mesmo que sem o envolvimento da dupla de criadores. A intenção seria levar aos cinemas os livros de Mark Winegardner, que continuaram a saga no terreno literário. Quem sabe após O Poderoso Chefão Desfecho: A Mote de Michael Corleone, uma nova faísca não tenha centelhado no coração do veterano diretor Francis Ford Coppola para uma nova investida inédita neste universo. Os fãs agradeceriam.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE