Tudo o que perdemos pelo caminho se tornam fortaleza para quem encontra no outro a redescoberta da vida. No ano em que o Brasil perdeu a Copa do Mundo de Futebol masculino na França, nosso país ganhou na sua galeria de inesquecíveis obras do seu cinema um filme que continua até hoje no imaginário e emoções profundas de todo mundo que ama cinema. Dirigido por Walter Salles, Central do Brasil é como uma flecha que alcança nosso peito e nos faz refletir sobre a vida, sobre as razões existências de pais e filhos, sobre o valor da amizade, dos nossos valores como seres humanos. Uma trilha sonora linda vai se tornando um plano de fundo sensível e muitas vezes angustiante que nos mostra toda a força que um filme pode ter.

Sendo assim, para relembrarmos esse clássico do nosso cinema, separamos alguns motivos do Por que ‘Central do Brasil’ é um dos filmes nacionais que mais emocionaram o público?

 

Um roteiro impactante que nos faz nunca mais esquecer tudo que vemos e aprendemos



Escrito pelos roteiristas Marcos Bernstein e João Emanuel Carneiro, o filme conta a saga de uma ex-professora chamada Dora que escreve cartas na Central do Brasil e em um dia trágico, com mais um acidente de trânsito na cidade, acaba embarcando em uma jornada em busca do pai de Josué, um menino de 9 anos, que tem o sonho de ser motorista de caminhão, que não tem mais ninguém na cidade após o falecimento da mãe. Assim, Dora e Josué irão percorrer milhares de quilômetros, seja de ônibus, seja de carona, para enfim tentar chegar até o pai do garoto.

Aproveite para assistir:

 

Em 15 minutos te apresenta os personagens protagonistas e te deixa com o coração na mão



Dizem por aí que um filme bom precisa conquistar o público em 15 minutos. Central do Brasil consegue essa façanha nos mostrando um raio-x profundo de Isadora Teixeira (a Dora) e as primeiras lacunas preenchidas de uma jornada que ganharia o mundo e o coração de todos nós que amamos a sétima arte. Também nesse impactante abre alas conhecemos o lugar que dá título ao filme, onde milhares de pessoas de todo o Brasil passam todos os dias até hoje, no coração do centro da cidade do Rio de Janeiro.

 

Mostra duras e diversas realidades do povo brasileiro

Desde as inúmeras pessoas de origem de fora do Rio de Janeiro que moram na cidade, que buscam enviar suas cartas através de Dora na Central do Brasil, à solidão do caminhoneiro evangélico e sem família Cezar, interpretado por Othon Bastos, inúmeros personagens que vão e vem na jornada dos protagonistas. Mas há um foco na ex-professora, aposentada, que ganha pouco dinheiro após serviços prestados à educação do Brasil, que escreve cartas para quem não sabe escrever e vive sua simples realidade nas idas e vindas dos trens em uma rotina circular que acaba redescobrindo valores.

 



Os valores da fé

Há referências à religião em muitos momentos do filme. No trajeto, em meio a cidades e culturas das regiões onde passam, a fé se torna algo muito presente e entra em conflito, de certa forma, com maneira que Dora enxerga essa questão em particular. Tem uma cena linda em um toco de árvore onde mensagens e objetos são colocados e um lenço, última lembrança da mãe de Josué, é deixado. Impactantes registros que só somam em meio a essa estrada de redescobertas por parte da protagonista.

 

Uma protagonista feminina que comove e nos ensina sobre muitos sentimentos


Dora é complexa, admite sua realidade e nunca tentou mudar ou fazer diferente. Solteira, sem filhos, tudo muda em sua vida com a chegada de Josué e a aceitação de uma jornada que a transformaria em uma nova pessoa, uma nova mulher. Dora sempre foi uma mulher muito sofrida, seu pai a abandonou quando criança, inclusive aos 16 anos ela o reencontrou e ele não a reconheceu. Com essa e outras marcas na vida, a personagem é o espelho de muitos brasileiros e outras tristes realidade pelo Brasil à fora.

 

Um elenco maravilhoso e uma parte técnica impecável

Além da fantástica Fernanda Montenegro, Central do Brasil conta com as participações de Marília Pêra, Otávio Augusto, Othon Bastos, Matheus Nachtergaele, Caio Junqueira entre outros. O grande Walter Carvalho assina a belíssima fotografia do filme. O jovem, na época, Vinícius de Oliveira, foi o escolhido para interpretar Josué em uma seleção de mais de 1.000 crianças para o papel.

 

Orgulho do nosso cinema

Indicado ao Oscar para representar o Brasil na cerimônia de 1999, nas categorias de Melhor Filmes Estrangeiro e Melhor Atriz, o filme Conquistou os mesmos prêmios no Globo de Ouro semanas antes e o Urso de Ouro em Berlim de Melhor Filme e o Urso de Prata para Fernanda Montenegro pelo papel de Dora. Infelizmente não vencemos nenhum dos Oscars (um dos maiores absurdos da história da famosa premiação) mas o projeto mostrou ao mundo mais uma vez o poder de emocionar do nosso cinema sendo lembrado por todos fora do Brasil até hoje.

Comentários

Não deixe de assistir: