O mundo profissional é altamente competitivo e muitos podem classifica-lo como injusto e cruel. Não estariam errados. Mas em todos os mercados, o que as empresas esperam é resultado. Isso não é diferente quando falamos em estúdios de cinema ou redes TV (atualmente canais de streaming). Por mais que gostemos de determinado programa, sua permanência de exibição dependerá unicamente dos números de audiência, leia-se: quanto maior sua popularidade, mais tempo ficará no ar. O cancelamento de uma série pode ser triste, porém, pior ainda é quando mesmo tendo tudo preparado, determinada produção sequer sobrevive além de seu episódio piloto (que é o que determina se uma série existirá ao menos uma temporada – acredite muitas nem chegam a tanto como veremos a seguir).

Pensando nisso, resolvemos revisitar o passado, já que recordar é viver, e apresentar alguns programas televisivos que estão completando 10 anos, mas que se tornaram tão obscuros (alguns verdadeiras “lendas urbanas”) devido a seu fracasso, que grande parte do público sequer tomou conhecimento de que haviam sido feitos. Veja abaixo e comente quais você lembra ou viu.

As Panteras



Depois da série clássica da década de 1970, depois dos filmes dos anos 2000 estrelados por Cameron Diaz e Drew Barrymore, mas antes do filme de 2019 estrelado por Kristen Stewart e dirigido por Elizabeth Banks, existiu esta tentativa de reboot do programa sobre três mulheres “angelicais” trabalhando como detetives particulares. E o motivo pelo qual você nunca tinha ouvido falar disso é porque a investida do canal ABC “morreu na praia” com apenas 8 episódios exibidos de sua primeira temporada. E sim, como de costume depois de sua entrada na franquia, Drew Barrymore também produziu este show. O trio desta vez era formado por Rachael Taylor, Annie Ilonzeh e Minka Kelly.

Pan Am

Essa era mais promissora e notória, causando certo estardalhaço na época de seu lançamento. Aposta da mesma rede ABC, um dos pilares da TV norte-americana, a série era vendida por sua época de puro glamour: os anos 1960. A proposta era uma volta no tempo para o boom e auge das companhias aéreas, em especial a tão famosa que dá título ao programa. Fora isso, o discurso aqui era bem feminino e empoderado, ao abordar mulheres focadas nas rédeas de suas vidas, decididas a se tornar aeromoças. A série também seria lembrada por um dos primeiros trabalhos da musa Margot Robbie, além de ser protagonizada igualmente por Christina Ricci. Pan Am teve mais sorte que As Panteras e viveu para exibir 14 episódios de sua primeira temporada.

The Playboy Club

Aproveite para assistir:



Outra série promissora, com a pegada dos anos 1960, esta exibida pela rival NBC. Ao invés dos bastidores do dia a dia de aeromoças e pilotos de uma famosa companhia aérea, aqui tínhamos abordado um fato não muito conhecido do grande público atualmente. Na década citada, existiram os Clubes da Playboy, casas noturnas de luxo para homens de negócios ricos, administrados pelas empresas Playboy, a mesma responsável pela conhecida revista de mulher pelada. Nos locais, claro, as infames coelhinhas. Na série, a mais conhecida era nenhuma outra senão Amber Heard, estrela do programa, que visava ser alavancada de vez ao sucesso pelo seriado. No entanto, Playboy Club é uma das mais azaradas da lista, ficando no ar somente por 7 episódios antes de ser cancelada.

Ringer

Já tivemos duas loiras “azaradas” na lista, com Margot Robbie e Amber Heard, e agora chega a terceira. Sarah Michelle Gellar ficará para sempre conhecida como Buffy – A Caça-Vampiros, seu maior sucesso. O seriado divertido com leves toques de terror durou nada menos que 7 temporadas e quando acabou, a protagonista ficou tentando a sorte sem muito sucesso no cinema. Ringer foi a opção da atriz para marcar seu retorno triunfal às telinhas. No entanto, alguém esqueceu de avisar ao público, que não compareceu em frente à TV, fazendo o programa do canal CW ser cancelado após seus 22 episódios da primeira temporada. Na trama, Gellar interpreta gêmeas, mas logo de cara uma delas se suicida, fazendo a outra, um verdadeiro trem desgovernado, assumir a identidade da irmã, uma socialite casada de Nova York. Soa muito absurdo? Concordo.



Terra Nova

Steven Spielberg é indiscutivelmente um dos grandes nomes do cinema de todos os tempos. Mas quando falamos em séries de TV, bem, digamos que ele tenta. Foi exatamente o ocorrido com este programa de aventura, ficção científica e fantasia, bem nos moldes de tudo que o cineasta gosta e fez com maestria em sua carreira. Veja esta história: no futuro do ano 2149, nosso planeta está morrendo. A única solução encontrada é mandar os humanos de volta no tempo 85 milhões de anos para a era pré-histórica, a fim de uma nova chance de sobrevivência na colônia conhecida como Terra Nova. E sim, você adivinhou, teremos o encontro dos humanos com dinossauros. A ideia é interessante, e a série recebeu elogios, mas infelizmente os números não foram bons e a FOX cancelou após 13 episódios da primeira temporada, garantindo assim a ela um status de cult. No elenco, Stephen Lang e Naomi Scott.

Camelot

Séries medievais de “sandália e espada” ganharam um grande impulso após o sucesso fenomenal da prestigiada Game of Thrones. Assim, logo todos queriam uma fatia deste bolo. Uma de tantas que tentaram sem alcançar o esperado foi esta Camelot que, como diz o título, foi uma investida do canal Starz na mitologia do universo do Rei Arthur. O chamariz do programa é a presença da voluptuosa atriz francesa Eva Green, em seu primeiro trabalho num seriado (não podemos dizer que ela começou com o pé direito, mas depois veio Penny Dreadful…). Após a morte do Rei britânico, o mago Merlin (Joseph Fiennes) nomeia Arthur (Jamie Campbell Bower) como herdeiro do trono, para o desespero de sua ambiciosa meia irmã Morgana (Green). O programa durou somente 10 episódios da primeira temporada.

Luck



Nem mesmo a presença de grandes atores consagrados encabeçando o elenco de uma série é garantia de seu sucesso. Aqui, o veterano Dustin Hoffman, vencedor de 2 Oscar, foi quem protagonizou nesta série sobre o vício da jogatina, em especial apostas de cavalos de corrida. Além de Hoffman, outro nome de peso desta série da HBO é o de Michael Mann, produtor e diretor do programa. Luck, no entanto, é uma destas obras pra lá de problemáticas que devem ter dado alívio para todos os envolvidos não precisarem continuar. Para começar, o relacionamento entre Mann e o criador do seriado David Milch (que baseou a história em sua própria vida) foi tão ruim, que o diretor o baniu do set de filmagens por toda a primeira temporada. Fora isso, alguns cavalos se machucaram durante as gravações ligando o sinal de alerta de instituições como a PETA (que supervisiona o bem estar de animais nas gravações) pra cima da produção. Com tudo isso, Luck até que teve “sorte” de ter durado 10 episódios.

Mortal Kombat

A franquia de jogos de luta mais famosa de todas (talvez lado a lado com Street Fighter) voltou aos holofotes com um novo filme que será lançado nos cinemas este ano – e o trailer vem dando o que falar. É claro que a primeira adaptação do querido e violento game ocorreu ainda em 1995, e dois anos depois, ganhávamos uma continuação – bem menos querida, digamos. Mas entre este limbo da década de 1990 e o ano de 2021, Mortal Kombat existiu nas telinhas em uma produção em live-action (com atores de carne e osso). Também conhecido como Mortal Kombat – Legacy e produzido pela Warner, esta série é a mais bem sucedida até aqui na matéria, com duas temporadas produzidas. A primeira temporada, com 9 episódios, funciona como pré-sequência da mitologia, apresentando o passado dos personagens até chegarem ao torneio mortal de luta, que é onde se concentra a segunda temporada, com 10 episódios. Algumas curiosidades são as presenças de Casper Van Dien como Johnny Cage, Michael Jai White como Jax e uma Sonya Blade mais “madura” nas formas de Jeri Ryan (aos 43 anos). O mais legal, no entanto, é a presença de Cary-Hiroyuki Tagawa como o vilão Shang Tsung, mesmo papel que havia interpretado no filme de 1995.

The Client List

Existem artistas que reinam em determinadas mídias, sejam elas o cinema, o teatro, as novelas ou os seriados. E Jennifer Love Hewitt tem com a TV um verdadeiro caso de amor. Sua notoriedade veio em Party of Five – O Quinteto, programa no qual permaneceu por quatro anos. Sua personagem ficou tão popular que ganhou um derivado próprio, com Time of Your Life (durando apenas uma temporada). Depois disso, Hewitt viu novo sucesso com Ghost Whisperer, no qual interpretou uma médium por cinco temporadas. Assim, logo no ano seguinte do término desta última citada, a jovem atacava de novo, desta vez num programa do canal Lifetime. Tentando mudar de ares com uma personagem mais ousada em uma trama mais subversiva e picante, a atriz topou o papel de uma mãe solteira vivendo uma vida dupla. Ao arrumar emprego como massagista em um spa, ela logo descobre um submundo, onde um tipo de serviço diferente é oferecido, e resolve embarcar nessa. Client List durou duas Temporadas de 25 episódios totais.


Happily Divorced

Ainda no terreno das atrizes muito conhecidas na TV, Fran Drescher reinou absoluta nas telinhas e se tornou uma estrela graças ao icônico seriado The Nanny, que ficou no ar por seis temporadas, de 1993 a 1999. Mais de dez anos depois do término de tal programa, a comediante de voz estridente protagonizou um novo humorístico, cuja trama é no mínimo curiosa. A história é baseada na vida pessoal da protagonista e de seu ex-marido, o produtor Peter Marc Jacobson, que escreveu o programa ao lado dela. Acontece que após 18 anos de um casamento aparentemente feliz, a união chegava ao fim através da confissão do sujeito, afirmando-se gay. Fran e Peter ficaram casados de 1978 a 1999, quando chegou ao fim The Nanny. Apesar da curiosidade, a nova série durou apenas duas temporadas, com 34 episódios.

Wonder Woman

Este é o caso mais incrível da lista, mas também um dos mais tristes para os fãs e para a atriz protagonista. A Mulher-Maravilha é a primeira super-heroína dos quadrinhos a alçar status de celebridade. Hoje, a personagem ganhou mais fama do que nunca graças às superproduções cinematográficas estreladas pela israelense Gal Gadot. A trajetória da personagem no audiovisual, porém, ressoa lá atrás nas formas de Lynda Carter no programa de TV da década de 1970, que durou 3 temporadas. Entre esse grande hiato, o plano era para uma nova série com a guerreira amazona, que iria ao ar pela NBC. Atriz escolhida: Adrianne Palicki. Roteirista, diretor, gravações a toda. Tudo parecia no lugar, apesar de certa polêmica com o figurino, que traria a heroína usando calças pela primeira vez. O seriado traria Steve Trevor e uma trama na qual Diana, a identidade secreta da heroína, viveria uma dupla jornada, como CEO de uma grande companhia nas horas de folga. No elenco, nomes como Cary Elwes, Elizabeth Hurley e… Pedro Pascal (que anos mais tarde participaria de Mulher-Maravilha 1984 como o vilão Max Lord). A notícia ruim é que a série ficou apenas no piloto, sendo cancelada sem direito sequer a mais de um episódio. O que foi gravado, ficou engavetado, tornando esta Mulher-Maravilha uma lenda urbana da internet.

Comentários

Não deixe de assistir:

🚨 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE 🚨http://bit.ly/CinePOP_Inscreva