Mike Flanagan tornou-se um dos realizadores mais interessantes do cenário do entretenimento contemporâneo – mais especificamente, do gênero do terror e do suspense. Desde suas obras “menos” conhecidas, como ‘Hush – A Morte Ouve’ e o subestimado O Espelho, Flanagan ascendeu a um patamar respeitável ao resgatar os clássicos elementos das assombrosas narrativas que dominaram o cinema em sua Era de Ouro, pincelando-os com inúmeras tramas envolventes quanto em relação ao público atual e com reviravoltas de tirar o fôlego. Não é surpresa que ele tenha sido chamado para comandar o ambicioso e elogiado projeto Doutor Sono, sequência do icônico O Iluminado, e a antologia gótica ‘A Maldição’, que se desenrolou em duas temporadas belíssimas e instigantes.

Em seu mais novo projeto em associação à Netflix, o diretor e roteirista mergulhou fundo na complexidade temática que beira a dicotomia entre a vida e a morte, a danação e a salvação e a fé e a ciência com a minissérie Missa da Meia-Noite. A produção nos leva para uma comunidade insular isolada do mundo e que recebe a misteriosa visita de um padra chamado Paul (Hamish Linklater), que começa a promover uma série de mudanças na vizinhança e que esconde um segredo terrível que vêm à tona da maneira mais inesperada possível. Aqui, os personagens são envolvidos por traumas, decepções e receios que acompanham densos e problemáticos arcos e que culminam em uma explosiva análise sociológica e teológica que transcende os limites da “nossa vã filosofia”, como bem apontou William Shakespeare na tragédia ‘Hamlet’.

Ao longo de sete episódios, que se estendem por mais de sessenta minutos, Flanagan e seus competentes colaboradores encontram um fértil terreno em que puderam destrinchar as reflexões desejadas e criar mensagens de ressonância emocionante e profunda – talvez nos levando a uma crise existencial que permanece até mesmo depois dos créditos de encerramento. É claro que, conhecendo o simbólico e paradoxal estilo do realizador, a obra não é vista com olhos similares pelos espectadores e, por essa razão, boa parte deles pode não compreender o subtexto que se camufla em uma atmosfera de pura agonia e de criaturas da escuridão. Flanagan é inconspícuo no que realmente deseja criticar, mas escancara uma clareza de opiniões que deixa cada uma das criações cercada de hipocrisias e da falta de discernimento.



Como já percebemos em ‘Residência Hill’ ou ‘Mansão Bly’, o terror do qual o showrunner se vale abandona os conceitos maniqueístas de herói e vilão e traz tipos sociais de proposital exagero para serem observados pela audiência e para, de alguma maneira, se relacionar com eles. Temos, por exemplo, a conturbada personalidade de Riley Flynn (Zach Gilford), jovem rapaz que, depois de passar alguns anos na prisão por ter tirado a vida de uma garota em um acidente de carro, que retorna para a casa para encarar os pais e tentar reconstruir uma vida que sempre estará pautada nos graves erros que cometeu; ou então Erin Greene (Kate Siegel), a filha pródiga da peculiar Ilha Crockett, que seguiu os passos da tóxica mãe e se tornou professora local; ou então o Xerife Hassan (Rahul Kohli), que abandonou seu trabalho no FBI por sofrer injúrias raciais e xenofobia, encontrando um lugar distante para criar e proteger o filho.

Aproveite para assistir:

Todos eles se conectam em um local que insurge como um purgatório, um lugar entre o céu e o inferno estagnado no tempo em que os habitantes parecem estar presos, sem saber como seguir em frente e como abandonar. Além de Paul, que vem em um ótimo momento para dar um pouco de esperança às almas perdidas de Crockett, há também a presença da irmã Bev Keane (Samantha Sloyan), uma devota religiosa que se entrega por completo aos trabalhos de evangelização e que é, na verdade, uma cruel mulher que utiliza métodos passivo-agressivos para impor seus pensamentos e diminuir aqueles que vão contra o que defende. A princípio, Paul se mostra como um homem que tem muito a encobrir e cuja backstory enfrenta contradições que logo são percebidas por alguns membros da comunidade; Bev, por sua vez, aceita o que lhe é dado sem questionamento e sem ousar mudar o que foi previsto nas escrituras.

Se o roteiro já nos fisga desde o episódio piloto a descobrir o que caminha pela escuridão da ilha, as atuações do elenco protagonista e coadjuvante são inexplicáveis e exortam performances avassaladoras. Linklater, já conhecido na esfera televisivo, redefine sua carreira ao encarnar Paul, enquanto Sloyan, antiga colaboradora de Flanagan, transmuta-se em uma mulher cega pelo preconceito e movida pelo fanatismo religioso; Siegel se prova, novamente, como uma atriz incrível e que não tem medo de arriscar, nem mesmo nos momentos mais complicados – como nos vários monólogos que encabeça. É claro que as literais citações da bíblia católica podem se render em um artifício demasiado recorrente, mas não o bastante para apagar a brilhantismo da série.



Missa da Meia-Noite é mais um incrível acerto de Mike Flanagan e uma honrável adição ao catálogo da Netflix. Recheada de twists muito bem construídos e uma conclusão comovente e guiada por uma potente carga dramática, esse terror não se assemelha a nada ao que o realizador já havia entregado antes – e, ao mesmo tempo, reflete seus trejeitos e seus apreços estéticos de forma aplaudível.

Comentários

Não deixe de assistir: