Doutor Estranho no Multiverso da Loucura fez sua estreia em Hollywood no dia 2 de maio, chegando ao Brasil e o resto do mundo na mesma semana. Com apenas duas semanas em cartaz, a nova superprodução da Marvel já é um dos grandes sucessos deste início de 2022 – e temos certeza que será um dos maiores do ano todo também. Atualmente, com quase US$720 milhões em bilheteria para o estúdio, o blockbuster é o segundo filme mais rentável destes primeiros cinco meses, ficando atrás somente de Batman – mas talvez não por muito tempo, já que se continuar neste ritmo, em breve o segundo Doutor Estranho se tornará o filme mais lucrativo de 2022. Deixe para a Marvel entregar espetáculos que fazem os cinemas não sentirem o peso da pandemia.

Uma das coisas que o estúdio tem feito para aguçar a curiosidade dos fãs é guardar segredos em todos os lugares em seus filmes. Por exemplo, o fenômeno Homem-Aranha: Sem Volta para Casa fez todos correrem para os cinemas para conferir se realmente iriam entregar o que todos queriam e sonhavam: o encontro dos três Homem-Aranha, Tom Holland, Tobey Maguire e Andrew Garfield. E, é claro, o estúdio entregou exatamente o que foi pedido por seu público. Os realizadores destes filmes entenderam e começaram a usar como ninguém o poder das redes sociais para se comunicar diretamente com seus fãs, ouvi-los e atende-los. E com o novo Doutor Estranho, a Marvel repete a dose.

Leia também: Doutor Estranho | Conheça os 16 Atores que Quase Viveram o Personagem da Marvel nas Telonas



Um dos grandes atrativos desta continuação, por outro lado, não estava na frente das câmeras, e sim atrás delas. Sam Raimi é um diretor veterano de Hollywood, que começou sua carreira com os filmes de terror da franquia Evil Dead, e depois seguiu para dirigir o primeiro filme do Homem-Aranha no cinema, que está completando 20 anos de sua estreia, assim como também suas duas continuações diretas. Ou seja, ele não podia estar mais em casa.

Aproveite para assistir:



Mas sem desviar muito mais do tema da matéria, na história do novo filme temos a participação de uma personagem que nunca havia interagido anteriormente com o maior mago do estúdio, a Feiticeira Escarlate, papel da talentosa Elizabeth Olsen. A personagem foi introduzida pela primeira vez no MCU em uma cena pós-créditos de Capitão América: O Soldado Invernal (2014) e depois seguiu para ter sua subtrama desenvolvida em Vingadores: Era de Ultron (2015). Participando de mais três filmes deste universo, Olsen e sua personagem finalmente ganhariam uma série de TV própria para estrelar na Disney Plus no ano passado, com a criativa WandaVision – um dos programas mais inusitados da casa. É claro que a personagem, dona de poderes sombrios, alçou Elizabeth Olsen a novos níveis de estrelato, elevando seu status na indústria. É isso que a participação em um filme da Marvel faz com a carreira de qualquer ator. Mas nem sempre Olsen esteve na ponta da língua dos produtores para o papel, e antes dela outras três atrizes quase ficaram com a vaga. Conheça essa história abaixo.

Saoirse Ronan

A irlandesa Saoirse Ronan é uma jovem atriz que coleciona nada menos que quatro indicações ao Oscar na tenra idade dos 28 aninhos. O fato a coloca no topo da lista como uma das intérpretes mais prestigiadas de sua geração, e também uma das melhores. No currículo da atriz podemos encontrar diversos tipos de filmes e gêneros, mas um no qual ela ainda não trabalhou foi nas produções de super-heróis. Bem, mas não foi por falta de convite. Acontece que a Toda Poderosa Marvel tinha a jovem atriz travada no alvo. E o papel que o estúdio planejava para Ronan era nenhum outro senão o tema desta matéria, a Feiticeira Escarlate. A informação muito sabida é que a Marvel tinha a ruivinha irlandesa como primeira escolha para dar vida à Wanda Maximoff. A vontade do estúdio por ela era tanta, que as artes conceituais da personagem (para figurinos e story boards, por exemplo) foram todas desenhadas usando as formas de Saoirse. Isso é que é moral.


Não se sabe muito bem o motivo da atriz não ter aceitado o papel, se foi por causa de agenda conflitando com algum outro projeto em que estivesse vinculada, ou o fato destes contratos da Marvel prenderem um ator para outras produções, às vezes por alguns anos. A verdade é que não costumamos ver Saoirse Ronan fazendo blockbusters. A atriz parece se sentir melhor atuando em dramas e produções independentes. Até mesmo quando protagonizou produções mais ambiciosas, como Um Olhar do Paraíso (2009) e A Hospedeira (2013), o escopo parecia em menor escala, mais intimista. Seja como for, a ligação de Saoirse Ronan com a Feiticeira Escarlate entrou para a história dos bastidores de Hollywood como uma das escalações mais famosas que nunca aconteceram – assim como Emily Blunt como a Viúva Negra, e Emma Roberts como a Arlequina. E assim como Scarlett Johansson e Margot Robbie, Elizabeth Olsen agradece a desistência. E os fãs terminaram ganhando uma grande Feiticeira Escarlate nas telonas, sem que imaginemos outra no lugar.

Lindsay Lohan

Não, essa não é uma pegadinha, ou sequer estamos no 1º de Abril. Lindsay Lohan de fato chegou a fazer teste de elenco para viver a Feiticeira Escarlate no cinema. É incrível como a má fama conquistada pode te seguir para sempre, mesmo que seus atos e seu comportamento não correspondam mais com os do passado. A máxima segue verdadeira, e conquistar uma boa reputação é difícil, fácil mesmo é estraga-la. Tudo o que basta é uma série de decisões ruins. Esse foi o caso com a jovem estrela Lindsay Lohan, hoje com 35 anos de idade, e perfeitamente adequada, no que diz respeito à faixa etária, para o papel. Não fosse o comportamento errático do fim da década de 2000, o que fez todo e qualquer grande estúdio não querer se comprometer com um, então, trem desgovernado. Ex-estrela mirim dos filmes da Disney, Lindsay Lohan fez uma boa transição para a adolescência e se transformou em ídolo teen em meados dos anos 2000, graças a filmes como Sexta-Feira Muito Louca, Confissões de uma Adolescente em Crise, Herbie – Meu Fusca Turbinado, Sorte no Amor e, principalmente, o fenômeno adolescente cult da época, Meninas Malvadas.

O sucesso, no entanto, terminou subindo à cabeça da atriz, que aderiu ao estilo “vida loca” que muitas celebridades gostavam de exaltar. Assim, Lohan fez amizade com figurinhas carimbadas como Paris Hilton, e em pouco tempo estava abusando de substâncias químicas e do álcool, colocando em risco sua carreira. Os famosos clichês aconteceram com ela, como atrasos e falta de compromisso em seu trabalho. Até mesmo a musa Jane Fonda, com quem Lohan trabalhou em Ela é a Poderosa, deu conselhos para que a jovem não se perdesse totalmente. Lindsay, no entanto, nunca mais foi a mesma. Ela nunca mais protagonizaria um filme de sucesso ou de um grande estúdio, e quando fazia participações em tais, era sempre tirando sarro de sua própria persona, como se brincando com a chacota que virou. Por aqui, esperamos de todo o coração que a jovem atriz possa dar a volta por cima realmente, e coloque de vez o passado para trás. A entrada na Marvel sem dúvida ajudaria, mas o estúdio não quis correr tal risco.

Sasha Pieterse


Com carinha de menina, Sasha Pieterse é a mais jovem atriz que foi cogitada para o papel de Wanda Maximoff nos filmes da Marvel. É verdade que esta é uma lista curta, mas estas três atrizes ficaram muito conhecidas na época por chegarem perto do papel que terminou nas mãos de Elizabeth Olsen. Enquanto as outras duas acima são estrelas de cinema, conhecidas por seus trabalhos nas telonas, Sasha ficou famosa por um papel na TV, o de Alison DiLaurentis no seriado adolescente de sucesso Pretty Little Liars, no Brasil conhecido apenas como Maldosas.

O programa serviu para revelar jovens atrizes como Ashley Benson, Lucy Hale e Shay Mitchell, por exemplo. E caso tivesse conseguido a vaga na Marvel, Pieterse, sem dúvida, seria o nome do elenco a ter se dado melhor nas telonas. Na época da possível escalação no MCU, a atriz participava de uma produção igualmente conceituada, isso porque trazia como diretor o cult Paul Thomas Anderson. Trata-se de Vício Inerente, no qual viveu Japonica. Mas Sasha não é estranha a produções do gênero, bem, ou quase. Em 2011, ela participou de X-Men: Primeira Classe, porém, seu papel era apenas uma pontinha como uma adolescente que sequer tinha nome. Em 2019, Pieterse retornaria ao papel que a fez famosa no reboot da série, a flopada Pretty Little Liars: The Perfectionists – ou Maldosas: As Perfeccionistas, série que durou apenas uma temporada antes de ser cancelada.

Não deixe de assistir: