Considerada por muitos como a maior heroína do cinema de ação atual, a ucraniana Milla Jovovich começou sua carreira como uma supermodelo. Catapultada logo depois ao estrelato como atriz de cinema, Jovovich iniciou sua trajetória no audiovisual ainda no fim da década de 1980. A estrela ganharia sua primeira chance nas telonas em 1991, no papel de Lilli Hargrave como protagonista da continuação De Volta à Lagoa Azul – sequência do sucesso de 1980, A Lagoa Azul, que não teve o mesmo desempenho com os críticos e o público.

Em vias de completar 45 anos de idade (no dia 17 de dezembro), Milla Jovovich já acumula 58 créditos como intérprete e seus filmes juntos somam em bilheteria mais de US$1.4 bilhão mundiais. Fora isso, está para lançar seu mais novo blockbuster Monster Hunter, nova adaptação de um famoso videogame, com estreia marcada para dezembro desde ano.

Nosso editor-chefe Renato Marafon conversou exclusivamente mais uma vez com Jovovich e seu marido, o diretor Paul W. S. Anderson, sobre seu novo filme juntos, bate-papo esse que você pode conferir em breve só aqui no CinePOP. Enquanto a entrevista não é lançada, resolvemos ir aquecendo os motores, e ranqueamos simplesmente TODOS os filmes da atriz lançados no cinema. Confira abaixo.



Guerreiros do Futuro (2018)

O que? Você nunca tinha ouvido falar deste filme? Tudo bem, você não está sozinho. De fato, a maioria não ouviu. Ficção científica lançada direto em vídeo por aqui – em cartaz em alguns streamings, como o Telecine Play – o longa mistura Mad Max e O Exterminador do Futuro na sua salada, e traz no elenco gente como Suki Waterhouse como uma robô guerreira e James Franco como um dos vilões mais caricatos de seu acervo. Jovovich vive uma personagem creditada apenas como Drug Lord, ou a Rainha das Drogas. Chama atenção os 0% que o filme possui no agregador Rotten Tomatoes, com uma nota 3.2 do grande público no IMDB, fazendo dele o pior filme da carreira da musa.

Aproveite para assistir:



De Volta à Lagoa Azul (1991)

Embora alguns guardem este primeiro trabalho no cinema de Milla Jovovich com carinho no coração, rendendo um valor cult ao longa, verdade seja dita que ele não passa de uma reedição do primeiro filme, sem a mesma novidade. Milla marca com sua beleza e talento, garantindo assim passagem segura para o sucesso. Mas a segunda investida na Lagoa Azul é um filme que igualmente amarga 0% de aprovação com os críticos no Rotten.

Ultravioleta (2006)



Apelidado carinhosamente de “ultraviolenta”, esta produção foi confeccionada nos moldes de Resident Evil, aproveitando o sucesso que os dois primeiros filmes da franquia haviam feito nas bilheterias mundiais. Até mesmo uma trama envolvendo um vírus e superpoderes temos aqui, neste que pode ser considerado o maior clone de Resident Evil protagonizado pela própria estrela de tal filme.

Visões de um Crime (2011)

Neste filme de terror, Jovovich interpreta uma professora presenciando o ataque de um serial killer. Ela então se torna alvo do maníaco, e após um acidente é diagnosticada com “cegueira facial”, uma condição onde pessoas são incapazes de reconhecer feições. Infelizmente, este é outro longa do acervo da atriz com irrisórios 0% de aprovação dos críticos. Felizmente, é o último da lista com nota tão baixa.

Perseguindo Abbott (2015)

Dirigido por James McTeigue (V de Vingança), este thriller une a atriz ao eterno 007, Pierce Brosnan. Na trama, Jovovich é uma agente britânica, sobrevivendo a um atentado terrorista e sendo incriminada pelo ato. Enquanto foge e tenta provar sua inocência, ela é perseguida pelo verdadeiro culpado, o assassino vivido por Brosnan. O elenco conta ainda com os indicados ao Oscar Angela Bassett e Robert Forster.



Cymbeline (2014)

Descrito como uma mistura entre Sons of Anarchy (2008-2014) e Game of Thrones (2011-2019), o filme adapta uma peça de William Shakespeare para os tempos modernos, passado no meio de uma guerra entre policiais e uma gangue de motoqueiros – mas ainda falado no linguajar rebuscado da época. Jovovich vive a Rainha, e o elenco traz nomes de peso como Ed Harris, Ethan Hawke e Dakota Johnson.

Zoolander 2 (2016)

Sequência da comédia cult da Paramount, Zoolander, que demorou nada menos que 15 anos para sair do forno. E a atriz topa retornar à brincadeira na pele de Katinka, braço direito do vilão, o barão da moda perverso Mugatu (papel de Will Ferrell).



Hellboy (2019)

Você sabia que ele estava chegando… e você estava esperando por ele na lista. É difícil encontrar um defensor para este reboot do herói alternativo Hellboy, desta vez interpretado por David Harbour, substituindo Ron Pearlman. Sem qualquer envolvimento de Guillermo del Toro, o diretor dos filmes originais, o novo filme traz Jovovich na pele da vilã, a Rainha de Sangue.

Contatos de 4º Grau (2009)

Apesar de ser uma das maiores bilheterias da carreira de Jovovich, este não é um de seus filmes mais apreciados pelos críticos ou público. Aqui, uma narrativa pouco convencional é tentada, o que faz o filme ganhar alguns pontos pela originalidade. Baseado numa “história real”, o longa é criado no estilo found footage e também como um mockumentary, onde a atriz fala com a câmera como ela mesma, e também interpreta a protagonista da trama, Abbey Tyler, que afirma ter tido contatos com extraterrestres, assim como outros residentes de sua cidadezinha. Eu sei, pode ser um pouco confuso.



 

Sem Risco Aparente (2002)

No mesmo ano de lançamento do primeiro Resident Evil, Jovovich contracenava com o fera Samuel L. Jackson. Na trama, Jackson vive um policial que cai numa cilada e termina refém de uma família no melhor estilo O Massacre da Serra Elétrica. Tão louca quanto, ao invés de assassinos canibais, esta aqui é uma família de assaltantes, elaborando um esquema para roubar um banco. No filme, a atriz vive um dos membros do grupo desequilibrado. Quem dirige é o veterano Bob Rafelson, responsável por alguns clássicos indicados ao Oscar com Jack Nicholson.

Resident Evil 4: Recomeço (2010)

Primeiro Resident Evil da lista, na opinião dos críticos e do público o quarto filme é o menos prestigiado. Primeiro capítulo em 3D da franquia (que foi o que vendeu seu lançamento), aqui Alice (Jovovich) se refugia dos zumbis numa prisão, com um grupo… digamos, peculiar.


Resident Evil 2: Apocalipse (2004)

Chegando junto na lista, o segundo episódio da famosa franquia é também o segundo menos favorito para os fãs e críticos. Mas este que vos fala acredita que o longa é subestimado, sendo um de meus preferidos na série. Aqui foi onde tais filmes abraçaram de vez o absurdo e chutaram o balde para bem longe. Justamente por isso, se tornando extremamente divertidos – com direito a uma cena no cemitério no melhor estilo do clipe Thriller, de Michael Jackson.

Resident Evil 5: Retribuição (2012)

Muitas vezes nossos pensamentos sobre um filme não batem com o dos críticos, ou quem sabe até do grande público. É o caso com este quinto filme da franquia, o quarto preferido na opinião geral, mas o que este amigo que vos fala menos gosta. Mesmo assim, existe certa criatividade em recriar elementos passados sob outra ótica. E resgatar atrizes como Michelle Rodriguez e Sienna Guillory foi uma boa sacada – mesmo que não tenham sido tão bem aproveitadas.

Os Três Mosqueteiros (2011)

Monster Hunter não é a primeira colaboração de Jovovich e Paul W. S. Anderson fora da franquia Resident Evil. Em 2011, o casal resolvia dar seu pitaco sobre a história clássica de Alexandre Dumas. Explosões, muitos saltos que desafiam a gravidade e a física, e barcos voadores nesta verdadeira subversão Steampunk. E o que mais esperar de um filme do diretor? Anderson escala a esposa para viver a Milady de Winter.

O Hotel de Um Milhão de Dólares (2000)

Milla Jovovich já trabalhou com grandes nomes do cinema, entre diretores renomados e astros prestigiados. Aqui, ela dividia a cena com o Oscarizado Mel Gibson, antes de sua fase polêmica e ainda na crista da onda. Quem dirige é o alemão Wim Wenders, com roteiro de ninguém menos que Bono, vocalista da banda U2. O filme é um whodunnit tragicômico passado num hotel vagabundo de Los Angeles, habitado por alguns moradores mentalmente debilitados. Gibson vive um agente de “pescoço duro” investigando um assassinato, e Jovovich vive uma desequilibrada moradora do local.

Um Tira por Acaso (1992)

Tentativa de fazer graça no melhor estilo Curtindo a Vida Adoidado (1986), misturando ação policial na trama. Este é o segundo filme da carreira de Milla Jovovich. Quem protagoniza é o pseudo policial engraçadinho Christian Slater. E Jovovich vive sua namorada.

Resident Evil 3: A Extinção (2007)

Guerreiros do Futuro não foi a primeira incursão de Jovovich por um terreno à la Mad Max, já que esta foi a opção dos realizadores deste terceiro filme da franquia Resident Evil. Embora seja o terceiro preferido na opinião dos críticos e grande público, para este que vos fala, A Extinção é o melhor exemplar do pacote quando falamos na franquia. Aqui, a ação se desenrola no deserto, com um comboio de sobreviventes, no melhor estilo da saga pós-apocalíptica de George Miller citada. Corvos zumbis, preciso dizer mais?

Choque e Pavor – A Verdade Importa (2017)

Provavelmente o filme de temática mais séria na carreira de Milla Jovovich, o longa dirigido e protagonizado por Rob Reiner (Questão de Honra, 1992) fala sobre um grupo de jornalistas cobrindo os planos de invasão do presidente George W. Bush no Iraque em 2003. A atriz é parte de um grande elenco, que traz Woody Harrelson, Tommy Lee Jones, Jessica Biel e James Marsden.

Resident Evil 6: O Capítulo Final (2016)

Anunciado como “a canção do cisne” para Jovovich na série que a consagrou, o sexto capítulo é o segundo preferido na opinião geral. Com Paul W. S. Anderson voltando à direção, a banda Guns n’ Roses na trilha sonora e Ruby Rose no elenco, O Capítulo Final nos trouxe a surpresa de ver Alice velha, através de uma impressionante maquiagem em Jovovich, marcando assim também a primeira performance do tipo para a atriz no cinema.

Joana D’Arc (1999)

Também conhecido como Joana D’Arc de Luc Besson, essa foi uma investida mais que ambiciosa do diretor francês em um dos maiores ícones culturais de seu país, a heroína queimada na fogueira do título. Na época, Jovovich era companheira do diretor, e por isso o cineasta famoso a escalou para o papel principal – debaixo de certa controvérsia. Mesmo com atores de peso no elenco, como John Malkovich, Dustin Hoffman, Faye Dunnaway e Vincent Cassel, o desempenho do filme não foi tão bom e, somado a bastidores problemáticos, dizem ter sido o causador da ruptura de Besson e Jovovich em seu relacionamento.

Dirty Girl (2010)

Outro filme inédito no circuito brasileiro, este longa tinha como proposta ser um mergulho na cultura dos anos 80. Quem protagoniza é a britânica Juno Temple se passando por americana, com direito a sotaque e tudo. Ela é uma colegial cheia de atitude, que resolve fazer uma road trip com um colega, fugindo de casa. Jovovich interpreta a mãe da menina, num papel que seria originalmente de Sally Hawkins, atriz duas vezes indicada ao Oscar.

Resident Evil: O Hóspede Maldito (2002)

Chegamos ao Resident Evil melhor posicionado na lista dos trabalhos de Milla. E não tem jeito, na opinião geral de críticos e do público, o primeiro é sempre o melhor. Na época, muita reclamação e mimimi dos fãs com a falta de similaridade com o game no qual é baseado – afinal, a personagem da atriz sequer existe no jogo e foi criada especialmente para o filme. Com o tempo, os filmes ganharam sua própria base de fãs, que até hoje os defendem com unhas e dentes.

Homens em Fúria (2010)

Agora sim, chegamos aos finalmente da lista. Estes são os 10 melhores filmes de Milla Jovovich. Em décima posição está este trabalho ao lado de dois dos melhores atores de suas respectivas gerações: Robert De Niro e Edward Norton – que já haviam contracenado no ótimo A Cartada Final (2001). Na trama, Norton é um ex-presidiário tentando manipular seu agente de condicional, papel do veterano De Niro. Para tal, ele arma um esquema com sua namorada, vivida por Jovovich.

Presas no Paraíso (2019)

Sucesso no Festival de Sundance, este é o nono filme preferido da carreira da atriz, e um dos mais recentes em seu acervo. Infelizmente, passou inédito pelos cinemas de nosso país, chegando agora em plataformas de streaming, como no Telecine Play. Misto de fantasia e ficção científica, o longa apresenta uma realidade surreal onde jovens mulheres estão aparentemente presas num paraíso de tons pastéis, localizado numa ilha. Entre as “detentas”, Emma Roberts, Eiza González, Awkwafina e Danielle Macdonald. Jovovich vive a patrona do local.

Riqueza Perdida (2000)

Outro filme com Milla bem novinha, aqui então com 25 aninhos, este é o oitavo preferido da grande maioria em seu currículo. Único faroeste de sua carreira, o longa é dirigido por Michael Winterbottom. Um verdadeiro épico do gênero, o filme aborda tópicos como a construção de ferrovias, garimpagem de ouro e dívidas pagas através de venda de familiares. Milla é um dos destaques ao lado de gente como Wes Bentley, Sarah Polley e dos veteranos Peter Mullan e Nastassja Kinski.

A Trilha (2009)

Outro thriller vendido por sua reviravolta surpreendente, A Trilha apresenta a atriz formando par com Steve Zahn, um casal certinho decidindo desbravar trilhas e aventuras pela natureza. Até que ficam sabendo sobre dois serial killer cometendo assassinatos em tais locais. Mas e quem poderia ser os criminosos? Será que é o casal formado por Timothy Olyphant e Kiele Sanchez (saída de Lost)? Ou será que é a dupla de hippies Chris Hemsworth (em seu primeiro papel de destaque) e Marley Shelton? Só sabemos que este é o sétimo filme preferido da maioria.

Zoolander (2001)

Já tivemos a continuação na lista, mas o primeiro segue imbatível. Além disso, é o sexto filme preferido da grande maioria de todo o catálogo da atriz Milla Jovovich. Aqui, ela interpreta Katinka pela primeira vez, e parte de seus planos é incriminar o supermodelo burro como uma porta Derek Zoolander (Ben Stiller) por um assassinato. Este é um universo muito familiar para a ex-modelo e lhe caiu como uma luva.

Chaplin (1992)

Em quinta posição dos filmes da atriz preferidos pela maioria, está esta biografia de uma das figuras mais icônicas da sétima arte de todos os tempos, Charles Chaplin. Um dos humoristas mais famosos da história, Chaplin é personificado por ninguém menos que Robert Downey Jr antes de sua retomada com Homem de Ferro (2008), e lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor ator. Ou seja, um trabalho pra lá de prestigiado para Jovovich, e mais ainda se levarmos em conta que foi apenas seu terceiro filme no cinema. Aqui, ela vive a primeira esposa de Chaplin, a atriz Mildred Harris.

Dummy: Um Amor Diferente (2002)

No mesmo ano do primeiro Resident Evil, Jovovich lançava também este que é o quarto na preferência de seus fãs, dos críticos e do público. Neste longa excêntrico, mas dono de um grande coração, Adrien Brody (que no mesmo ano lançava O Pianista, filme que lhe renderia o Oscar de melhor ator) vive um perdedor, maltratado constantemente por sua família. Até que ele decide se tornar um ventríloquo, ao mesmo tempo em que se apaixona pela personagem de Vera Farmiga em início de carreira. Milla vive sua amalucada melhor amiga.

O Quinto Elemento (1997)

Como não poderia deixar de ser, o filme que colocou o nome da atriz verdadeiramente no mapa sobe no pódio ganhando o bronze dentre os melhores de sua carreira. Foi aqui que a maioria dos fãs e grande parte do público realmente teve consciência de quem era Milla Jovovich, através de seu grande desempenho como a inocente Leeloo, uma das personagens mais icônicas do gênero da ficção científica. O filme foi dirigido por Luc Besson e protagonizado por Bruce Willis, e se tornou um dos maiores sucessos de seu respectivo ano.

Jogada Decisiva (1998)

Lançado no ano seguinte do hype de O Quinto Elemento, então seu trabalho mais chamativo, a atriz optou por um filme mais dramático e independente, dirigido por ninguém menos que o prestigiado Spike Lee. E não apenas isso, Jogada Decisiva é protagonizado pelo grande Denzel Washington. Nesta história de um pai ex-presidiário e seu filho jogador de basquete, Milla tem sua própria subtrama na pele da prostituta Dakota Barns. O filme é o segundo favorito da carreira da atriz, e traz um de seus melhores desempenhos nas telonas.

Jovens, Loucos e Rebeldes (1993)

Deixe para o talentosíssimo Richard Linklater entregar o melhor filme da carreira de Milla Jovovich. Bem novinha aqui, a atriz faz parte de um grande elenco, todos em início de carreira, num conto de amadurecimento, neste que é tido como um dos melhores filmes adolescentes da história do cinema, passado na década de 1970. Linklater é um mestre em histórias do tipo, é só perceber em sua filmografia obras como a trilogia Antes do Amanhecer e Boyhood. Além de Jovovich, o filme traz Ben Affleck e Matthew McConaughey dando seus primeiros passos rumo ao estrelato.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE